Rede Voltaire
« Sob os nossos olhos »

Estratégia arriscada para a Palestina

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 93.1 kb

A Assembleia geral das Nações Unidas concedeu à Palestina « o estatuto de Estado observador não membro » tendo em vista contribuir « para a solução prevendo dois Estados, com um estado palestiniano independente, soberano, democrático, num território próprio e viável vivendo em paz e segurança lado a lado com Israel, na base das fronteiras anteriores a 1967 ».

A resolução foi adoptada por 138 votos a favor, 41 abstenções e 6 votos contra, entre os quais os dos Estados-Unidos e Israel.

Esta votação, seguida de longos aplausos na sala, foi celebrada com total euforia nos Territórios ocupados, tanto na Cisjordânia como na faixa de Gaza. Enquanto o Primeiro-ministro israelita e a secretária de Estado dos EU deploravam esta decisão. Tudo parece pois claro e as agências de imprensa podem evocar uma «formidável vitória diplomática dos Palestinianos ».

No entanto, olhando mais de perto, nada é o que parece. O resultado da votação mostra que os Estados-Unidos e Israel fizeram os mínimos. Eles não mobilizaram os seus aliados para fazer bloqueio, muito pelo contrário, eles empenharam-nos a deixar passar a resolução. A administração Obama deixou o Congresso ameaçar cortar as subvenções à Autoridade palestiniana, mas isto não era mais do que um jogada de fachada necessária para obter a adesão da rua palestiniana.

Na prática, o assento de observador até agora fechado à OLP será sempre ocupado por ela, mas com o título de Estado não-membro. E então? Que avanço concreto no terreno permite esta evolução semântica ? Nenhum!

Os editorialistas explicam-nos doutamente que a Palestina vai poder apresentar queixa diante do Tribunal Penal Internacional (TPI) contra a ocupação israelita dos seus Territórios o que constitui um crime de guerra no espírito da IVa Convenção de Genebra. Mas a Palestina já se constituiu (como queixosa – N d T) diante do Tribunal e depôs queixas em 2009, após a operação « Chumbo endurecido »; queixas que dormem desde então sobre a escrivaninha do procurador. Para não haver dúvidas, o novo estatuto da Palestina vai desbloquear a situação que acabará um pouco mais tarde num novo obstáculo dilatório processual. Todos os julgamentos do TPI mostram que ele é em si mesmo uma instância colonial e muito naïf é tomá-lo por qualquer outra coisa de diferente.

Outros editorialistas explicam-nos que o novo estatuto abre a via à adesão da Palestina às agências da ONU. Mas ela já é membro da Unesco, da Comissão económica e social para a Ásia ocidental, e do Grupo dos Estados da Ásia-Pacifico.

Então porquê esta resolução? Simplesmente, como indicado com todas as letras no texto, para facilitar a « solução dos dois Estados ». A Assembleia geral acaba de enterrar o plano de partilha da Palestina adotado, dia a dia, 65 anos antes. Já não se trata de criar um Estado binacional, e ainda menos um Estado uninacional, mas sim dois Estados distintos. A verdadeira consequência prática da resolução é que, a partir de agora, os Palestinianos se impedem de reclamar a aplicação do seu direito inalienável de retorno às terras que lhe foram roubadas.

Esta viragem tinha sido anunciada por Mahmoud Abbas, aquando de uma entrevista a 2 de novembro à televisão israelita. Ele tinha declarado querer rever a sua cidade natal, Safed na Galileia, porque era o seu direito, « mas não para aí viver ».

Uma vez pronunciadas as suas vitupérios de circunstância, Benjamin Netanyahu e Hillary Clinton puderam, a sós, beber o champanhe : a OLP e o Hamas, que reagira com violência há três semanas atrás às declarações de Abbas, acabam de renunciar sem nenhuma contrapartida ao direito pelo qual três gerações de Palestinianos amargaram tantas privações e sacrifícios.

No dia seguinte a esta « votação histórica », tendo partido a coorte da imprensa, a Assembleia geral adoptou seis outras resoluções sobre a questão palestiniana. Da sua leitura, podemos concluir que tudo isso mascara um acordo entre as grandes potências e a classe dirigente palestiniana; um acordo que, esperemos, esteja garantido por compromissos sólidos, à falta dos quais tudo isso não seria senão um jogo de enganos.

Vai-se na direção da continuação da Conferência de Madrid (1991). Por um lado admite-se que o problema não é israelo-palestiniano, mas israelo- árabe. Por outro, os Estados-Unidos não podem ser os únicos padrinhos da negociação que deve necessariamente incluir a Rússia, assim como outros membros permanentes do Conselho de segurança e a Liga árabe. Foi nesta perspectiva que a Assembleia geral apelou à realização, em Moscovo, de uma conferência global para a paz no Próximo-Oriente, tal como havia sido previsto há quatro anos atrás (resolução 1850) e sempre adiado.

Os elementos de consenso incluem a restituição do planalto do Golan à Síria (Israel conservaria no entanto as águas do lago Tiberíades) e a possível criação de uma federação jordano-palestiniana (com ou sem a monarquia hachemita). Ora, uma paz global só pode ser considerada se a própria Síria estiver em paz e capaz de estabilizar os muitos e numerosos grupos étnicos da região (o que implica a manutenção no poder de Bachar el-Assad no período de transição).

Tudo isto se parece ao que James Baker em 1991 e Bill Clinton em 1999 tentaram realizar; e ao que Barack Obama encarava no início do seu primeiro mandato, em 2009, quando ele evocou no Cairo o direito dos Palestinianos à dispor de um Estado. Este projeto é muito diferente daquele pelo qual os palestinianos se têm batido desde há 64 anos. Ele permite vislumbrar a paz, às custas de não trazer a justiça. Ficará por regular o problema de fundo, a fonte primária dos múltiplos conflitos actuais : a natureza colonial do Estado de Israel e o sistema de apartheid que daí deriva.

Tradução
Alva

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
O início da viragem do mundo
O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
O início da viragem do mundo
Thierry Meyssan
Ucrânia, objectivo na mira
«A arte da guerra»
Ucrânia, objectivo na mira
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Os «salvadores» do Iraque
«A arte da guerra»
Os «salvadores» do Iraque
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Ofensiva global NATO
"A arte da guerra"
Ofensiva global NATO
Rede Voltaire
 
Quem é o inimigo?
Israel
Quem é o inimigo?
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
A metamorfose de Bachar el-Assad
A metamorfose de Bachar el-Assad
Thierry Meyssan, Rede Voltaire