Rede Voltaire

Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
 
O que esconde o discurso contra os «conspiracionistas»
O Estado contra a República
Thierry Meyssan
O Estado contra a República Damasco (Síria) | 9 de Março de 2015
A pedido do presidente François Hollande, o Partido Socialista Francês acaba de publicar uma Nota sobre o movimento internacional «conspiracionista». O seu objetivo: preparar uma nova legislação proibindo-o de se expressar. Nos EUA, o golpe de Estado de 11 de setembro de 2001 permitiu estabelecer um «estado de emergência permanente» (Patriot Act), e o lançamento de uma série de guerras imperiais. Progressivamente, as elites europeias têm-se alinhado com os seus homólogos do outro lado do Atlântico. Por todo o lado, os cidadãos inquietam-se por serem abandonados pelos seus Estados e colocam em questão as suas instituições. Buscando manter-se no poder as elites estão, agora, prontas a utilizar a força para amordaçar as suas oposições.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Por trás do álibi anti-terrorista, a guerra do gaz no Levante Damasco (Síria) | 6 de Outubro de 2014
Se alguns aderem à retórica anti-terrorista de Washington e dos seus aliados do Golfo, toda a gente compreende que isto é apenas uma justificação retórica para uma guerra que prossegue outros fins. Os Estados Unidos afirmam querer destruir o Emirado Islâmico, que eles criaram e que realiza para eles a limpeza étnica necessária no plano de remodelagem do «Médio-Oriente alargado». Mais estranho ainda, eles afirmam querer combatê-lo na Síria com a oposição moderada, que é na realidade composta pelos mesmos jihadistas. Por fim, eles destruíram em Rakka os edifícios que já tinham sido evacuados, dois dias antes, pelo Emirado Islâmico. Para Thierry Meyssan, por trás destas aparentes contradições prossegue-se a guerra do gaz.