Rede Voltaire

Pronunciamento do John Kerry sobre o uso de armas químicas na Síria

| Washington, D. C. (Estados Unidos)
+
JPEG - 23.2 kb

Bem, nos últimos dias o presidente Obama e toda a sua equipe de segurança nacional têm analisado a situação na Síria e hoje eu quero atualizá-los sobre os nossos esforços à medida em que consideramos a nossa resposta em relação ao uso de armas químicas.

O que vimos na Síria semana passada deveria chocar a consciência do mundo. Desafia qualquer código moral. Deixe-me ser claro: o massacre indiscriminado de civis, a morte de mulheres e crianças e transeuntes inocentes por meio do uso de armas químicas é uma obscenidade moral. É imperdoável por qualquer padrão e, apesar das desculpas e equívocos que alguns fabricaram, é inegável.

O impacto desse ataque vai além do conflito na Síria, e esse conflito já trouxe muito sofrimento. Trata-se do uso indiscriminado, em grande escala, de armas que o mundo civilizado decidiu, há muito tempo, que nunca deveriam ser usadas – uma convicção partilhada por países que concordam com muito pouca coisa além disso. Há um motivo claro pelo qual o mundo baniu inteiramente o uso de armas químicas. Há uma razão para que a comunidade internacional tenha estabelecido um padrão claro e por que muitos países tomaram medidas importantes para erradicar essas armas. Há uma razão pela qual o presidente Obama tornou uma prioridade impedir a proliferação dessas armas e bloqueá-las onde elas existirem. Há uma razão pela qual o presidente Obama tornou claro para o regime de Assad que essa norma internacional não pode ser violada sem consequências. E a despeito do que se pense acerca da Síria, há uma razão pela qual todos os povos e todas as nações que acreditam na causa de nossa humanidade comum devem se posicionar com o fim de assegurar que quem usar armas químicas venha a responder por isso, para que isso nunca mais aconteça.

Ontem à noite, depois de falar com os ministros estrangeiros de todo o mundo sobre a gravidade da situação, voltei e vi os vídeos, os vídeos que qualquer pessoa pode assistir nas mídias sociais, e eu assisti esses vídeos angustiantes mais uma vez. É realmente difícil expressar em palavras o sofrimento humano que esses vídeos expõem diante de nós. Como pai, não consigo tirar da cabeça a imagem de um homem que segurava seu filho morto, chorando enquanto caos girava em torno dele; as imagens de famílias inteiras mortas em suas camas, sem uma gota de sangue ou até mesmo um ferimento visível; corpos contorcidos em espasmos; sofrimento humano que nunca podemos ignorar ou esquecer. Qualquer pessoa que possa afirmar que um ataque dessa envergadura impressionante pudesse ser forjado ou fabricado precisa verificar sua consciência e sua própria bússola moral.

O que se apresenta diante de nós hoje é real e é convincente. Portanto, eu também quero ressaltar que enquanto os investigadores estão coletando provas adicionais no campo, nossa compreensão do que já aconteceu na Síria está fundamentada em fatos informados pela consciência e guiados pelo senso comum. O número informado de vítimas, os sintomas relatados acerca daqueles que foram mortos ou feridos, os relatos em primeira mão de organizações humanitárias no próprio local, como os Médicos Sem Fronteiras e a Comissão de Direitos Humanos da Síria – tudo isso dá uma forte indicação que tudo o que essas imagens nos mostram é real, que armas químicas foram usadas na Síria.

Além disso, sabemos que o regime sírio mantém essas armas químicas em seu arsenal. Sabemos que o regime sírio tem a capacidade de fazer isso com foguetes. Sabemos que o regime tem estado determinado a eliminar a oposição daqueles mesmos lugares onde os ataques aconteceram. E com nossos próprios olhos, nos tornarmos todos testemunhas.

Temos informações adicionais sobre esse ataque, e essas informações estão sendo compiladas e revistas em conjunto com nossos aliados, e vamos disponibilizar essas informações nos próximos dias.

Nosso senso básico de humanidade está ofendido não só por esse crime covarde, mas também pela tentativa cínica de acobertá-lo. A todo o momento, o regime sírio evitou colaborar com a investigação da ONU, usando-a apenas para atrasar e frustrar o esforço importante de trazer à luz o que aconteceu em Damasco na calada da noite. E, conforme Ban Ki-moon disse na semana passada, a investigação da ONU não vai determinar quem usou essas armas químicas, apenas se tais armas foram usadas – um veredicto que já está claro para o mundo.

Eu falei na quinta-feira com o ministro de Relações Exteriores da Síria, Muallim, e deixei bastante claro a ele que se o regime, como ele argumenta, não tinha nada a esconder, então sua resposta deveria ser imediata – transparência e acesso imediatos – e não um bombardeio. A resposta da Síria precisa ser o acesso irrestrito e imediato. Não fazê-lo, disse a ele, já teria um significado em si mesmo.

Em vez disso, por cinco dias, o regime sírio recusou-se a permitir que os investigadores da ONU tivessem acesso ao local do ataque, o que supostamente isentaria o regime. Em vez disso, ele atacou a área ainda mais, bombardeando e destruindo sistematicamente as provas. Esse não é o comportamento de um governo que não tem nada a esconder. Essa não é a ação de um regime ansioso por provar ao mundo que não usou armas químicas. Na verdade, a decisão tardia do regime de permitir o acesso ocorreu tarde demais e é tarde demais para ter qualquer credibilidade. Os relatos de hoje sobre um ataque contra os investigadores da ONU, juntamente com a continuação do bombardeio desses mesmos bairros, apenas faz enfraquecer ainda mais a credibilidade do regime.

Seguindo instruções do presidente Obama, passei muitas horas ao longo dos últimos dias ao telefone com ministros e outros líderes estrangeiros. O governo está ativamente consultando membros do Congresso e vamos continuar a ter essas conversas nos próximos dias. O presidente Obama continua também em contato direto com os líderes dos nossos principais aliados e o presidente tomará uma decisão informada sobre como responder a esse uso indiscriminado de armas químicas. Mas não se enganem: o presidente Obama acredita que aqueles que usam as armas mais hediondas do mundo contra as pessoas mais vulneráveis ​​do mundo devem responder por isso. Nada hoje é mais sério e nada está sendo examinado com mais seriedade.

Obrigado.

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
O início da viragem do mundo
Thierry Meyssan
Ucrânia, objectivo na mira
«A arte da guerra»
Ucrânia, objectivo na mira
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Os «salvadores» do Iraque
«A arte da guerra»
Os «salvadores» do Iraque
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Ofensiva global NATO
"A arte da guerra"
Ofensiva global NATO
Rede Voltaire
 
Quem é o inimigo?
Israel
Quem é o inimigo?
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
A metamorfose de Bachar el-Assad
A metamorfose de Bachar el-Assad
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
Extensão da guerra do gaz ao Levante
«Sob os nossos olhos»
Extensão da guerra do gaz ao Levante
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
O «Curdistão», versão israelita
«Sob os nossos olhos»
O «Curdistão», versão israelita
Thierry Meyssan, Rede Voltaire