JPEG - 18.4 kb

Vozes conservadoras do Brasil e do mundo vêm condenando sistematicamente as medidas políticas extraordinárias dos primeiros cem dias do governo de Evo Morales. Dois problemas saltam a vista. Em primeiro lugar, a ousadia do boliviano em cumprir o que prometeu em seu programa de governo. A tradição latino-americana é a do paradoxo retórico, isto é, a da política feita sem qualquer preocupação ética, onde se diz algo com veemência e se faz exatamente ao contrário. Em segundo, sua ‘mania’ de governar perto do povo que o elegeu, quebrando a lógica da política representativa, onde o eleito não é obrigado a prestar contas aos seus eleitores, a não ser, formalmente.

A terceira novidade de seu governo é de fazer tudo isto sem uma linguagem populista agressiva e vazia. Não interessa a Evo governar para as mídias e de tentar projetar seu nome (marketing pessoal), sem que isto nada signifique no plano da ética de seus verdadeiros interesses. As mídias o buscam muito mais do que ele as procura. A publicidade de seu governo é uma decorrência de sua postura moral, coisa a que estamos pouco acostumados no mundo de hoje. As mídias - basta ver as reações anteriores à nacionalização dos hidrocarbonetos - não acreditavam que ele iria de fato fazê-la. Diziam que ele recuaria e que não teria coragem de romper contratos que simbolizam a opressão secular dos bolivianos.

A quarta novidade é a dele ser um homem com profundo senso diplomático. Ele sabe que precisa de apoio e convive bem com políticos com trajetórias muito distintas. Espera conseguir, como decorrência dos seus atos, a aprovação dos povos, conquistando as pessoas por sua simplicidade e imensa legitimidade. A Bolívia que governa não deseja mais ter no poder os prepostos pós-coloniais que tanto usurparam suas riquezas, mancomunados com os interesses dos países centrais. Não deseja mais ser mandada e roubada por homens como Simón Patiño (1860-1947) – que inspirou (o nome) o famoso personagem do Disney – que tanto se locupletou para ir, no final da vida, morrer podre de rico no exterior.

A Bolívia continua sendo um país mítico e Morales não foi o primeiro a levantar a bandeira da nacionalização. Lá foi o calvário de Ernesto Che Guevara que preferiu morrer pelos pobres (1967) do que ter uma existência mais ou menos tranqüila depois da vitória da revolução cubana (1959). País dos mineiros e da dinamite, dos nativos de uma das mais desenvolvidas civilizações pré-colombianas. Lugar de parte das montanhas da poética cordilheira dos Andes, do estanho, da folha de coca e, hoje, do gás. Este, uma riqueza imensa, vem sendo vendida a preço de banana, por menos da metade do valor praticado nos EUA. Nada mais justo que os bolivianos usem dela para diminuir o sofrimento de seu povo. O mesmo dever-se-ia fazer com o nosso ferro, manganês, petróleo, bauxita etc. Quem sabe? A idéia talvez prospere e venha a representar a ruptura da lógica de dominação de nosso tempo.