Rede Voltaire
«Tendências do Oriente»

A resistência é inevitável, digam os inimigos o que quiserem

| Beirute (Líbano)
+
JPEG - 26.1 kb

As ilusões de alguns grupos de sua capacidade para alterar o equilíbrio de poder no Líbano e realizar seus sonhos de atacar a Resistência e sua legitimidade, apresentaram-se em sua realidade. Eles pensaram em mudar o equilíbrio de poder com a ajuda dos americanos, do Ocidente e do Golfo Árabe, incluindo a Arábia Saudita, mas mais uma vez eles falharam.

Ao final do termo que poderia ter transformado o governo de Tammam Salam em um governo interino, a ‘fumaça branca’ finalmente clareou, e os protagonistas concordaram com uma declaração ministerial reconhecendo "o direito do Líbano e dos cidadãos libaneses de resistir à ocupação israelense". Um direito inalienável, reconhecido pela carta das Nações Unidas; mas, alguns libaneses estavam dispostos a vender-se, gratuitamente, para servir aos interesses de Israel, abandonando o único fator que faz a força do Líbano. O dia 14 de Março, com a ajuda do Presidente da República, ainda falhou. Apenas algumas horas após o eloqüente ‘carnaval’ de 14 de Março, o Movimento do Futuro aceitou sua derrota. A intervenção de diplomatas, baseados em Beirute e nas maiores capitais, preocupados com a situação libanesa, convence da incapacidade da coalizão de mudar o equilíbrio de poder.

A escalada iniciada em 14 de Março em negar o direito dos libaneses de resistir à ocupação ilustra as discórdias internas que solapam as fileiras da coalizão, a fraqueza de seu apoio externo, e reflete um amadorismo político sem precedentes. Neste contexto, podemos destacar os seguintes fatores:

A Arábia Saudita vê sua esfera de influência se reduzindo gradualmente e testemunha o desmembramento do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG).

O Ocidente, liderado pelos Estados Unidos, está perdido e não sabe como agir após a ofensiva contra a Rússia no caso ucraniano. Moscou impediu que os ocidentais capitalizassem com a crise ucraniana. A Alemanha lança sinais de sua discordância com seus aliados da OTAN e parece tentada por uma parceria euro-asiática com a Rússia.

De acordo com as estimativas mais optimistas, é evidente que os inimigos da Resistência são incapazes de lançar uma ofensiva global, como se acreditou, por um momento, por aqueles que têm analisado os eventos na Ucrânia demasiadamente simplesmente e rapidamente.

As tentativas israelenses de tentar mudar as regras do jogo encontraram fortes realidades e respostas, algumas das quais permaneceram desconhecidas do público em geral e profundamente misteriosas.

A determinação das forças políticas libanesas, aliadas da Resistência, e a sua gestão inteligente do confronto, deveu-se à teimosia do Movimento do Futuro e de 14 de Março. Essas forças políticas têm apontado para a possibilidade de vinculação de consultas parlamentares se o governo de Tammam Salam cair. Eles mandaram mensagens para a nomeação de uma nova personalidade para formar um governo do qual 14 de Março seria excluído. Incapazes de ficar mais tempo fora do governo, os líderes desta coalizão tiveram que aceitar a referência da Resistência na Declaração Ministerial. Eles sentiram que o governo de Salam é o máximo que podem esperar nas atuais circunstâncias, onde a organização da eleição presidencial parece muito difícil.

Tradução
Marisa Choguill

Fonte
New Orient News

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.