Rede Voltaire

A Força «árabe» de Defesa comum

Numerosos Estados, e personalidades, que haviam tomado posição no início da guerra do Iémene acabaram reconsiderando. Evitando posicionar-se automaticamente segundo a clivagem sunitas/xiitas, eles apelam ao cessar-fogo e a uma solução política. Por trás desta guerra inútil esconde-se, com efeito, o projecto de criação de uma Otan árabe… sob comando israelita.

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 21.4 kb
Nabil el-Arabi, secretário-geral da Liga árabe, tenta explicar o projecto de Força «árabe» de Defesa comum.

Na sua Doutrina de Segurança Nacional, publicada a 6 de fevereiro de 2015, o presidente Obama escreveu: «Uma estabilidade a longo prazo [no Médio- Oriente e Norte da África] requer mais que o uso e a presença de Forças militares norte-americanas . Ela exige parceiros que sejam capazes de se defender por si próprios. É por isso que investimos na capacidade de Israel, da Jordânia e dos nossos parceiros do Golfo em contrariar qualquer agressão, mantendo ao mesmo tempo o nosso compromisso inabalável com a segurança de Israel, nisso incluindo o seu progresso militar qualitativo» [1].

A leitura atenta do documento não deixa nenhuma dúvida. A estratégia do Pentágono consiste em criar uma versão moderna do Pacto de Bagdad, uma Otan árabe, de modo a poder retirar as suas forças militares do Médio-Oriente e Norte da África e a reposicioná-las no Extremo-Oriente (a «báscula» contra a China).

Do mesmo modo fica claro que, na sua visão, o Pentágono prevê que esta «Força árabe de Defesa comum» seja composta pelos Estados do Golfo e pela Jordânia, e que ela seja colocada sob comando israelita. Se retomarmos o exemplo do Pacto de Bagdad, recordaremos que ele fora constituído pelo Reino Unido com as suas antigas colónias. No entanto, ao fim de três anos, o seu estado-maior foi colocado sob o comando do Pentágono, muito embora os Estados Unidos não tenham jamais aderido ao Pacto.

Em novembro de 2013, o então presidente israelita(israelense-br), Shimon Peres, interveio, por vídeo-conferência, perante o Conselho de Segurança do Golfo, reunido em Abu Dhabi na presença de representantes dos principais membros da Liga Árabe e de Estados sunitas da Ásia [2]. A sua intervenção, que incidiu sobre a necessidade de um novo pacto militar face ao Irão, foi longamente aplaudida.

O SIPRI, de Estocolmo, acaba de revelar que a Arábia Saudita estaria preparada para criar a «Força árabe de Defesa comum», aumentando o seu orçamento militar em 2014 para $ 13 biliões(bilhões-br) de dólares (+17%!).

Riade tenta envolver o maior número possível de Estados neste projecto. Conseguiu, pois, assim comprar a participação do Egipto. Para o conseguir, os Estados do Golfo ofereceram 12 biliões de dólares para os projectos de investimento do Cairo, aquando da conferência económica de Sharm el-Sheikh, a 13 de março.

A Liga Árabe adoptou este projecto na sua cimeira em Sharm el-Sheikh, a 1 de Abril. Oficialmente, trata-se de aplicar o Tratado de Defesa árabe de 1950. Para lutar contra o terrorismo, a não ser que seja para satisfazer as ambições sauditas no Iémene. A guerra contra os Hutis(tas), da qual ninguém entende a necessidade, desempenha aqui o papel de um exercício em grande escala, sem que se manifeste compaixão pelo milhar de mortos e os 3.000 feridos que ela já provocou.

Desde já, segundo a Stratfor, o Estado-Maior da operação «Tempestade decisiva» não está na Arábia, mas, sim, na Somalilândia. Este país, que declarou a independência em 1960, foi depois unido à Somália na sequência de um golpe de Estado em 1969, proclamou pela segunda vez a sua independência em 1991, antes de ser reintegrado de novo na Somália, em 1994, e proclamou uma terceira vez a sua independência em 2002. Aquando das suas duas primeiras independências, Israel foi o primeiro estado a reconhecer a Somalilândia. Actualmente, este Estado não é reconhecido por ninguém, mas, desde 2010, é uma base israelita para controlar o estreito de Bab el-Mandeb, que liga o Canal de Suez e o Mar Vermelho ao Golfo de Áden e ao Oceano Índico.

Os chefes de Estado-maior da Liga Árabe vão reunir-se a 22 de abril para avaliar as unidades que poderiam colocar à disposição deste dispositivo. O Egipto, o Koweit e Marrocos –o conjunto dos três implicados nos bombardeamentos ao Iémene— apresentarão um relatório preliminar, a 1 de julho.

Tudo isto era, infelizmente, previsível. Depois de ter traído o Povo sírio, excluindo a República árabe da Síria das suas fileiras em violação dos seus estatutos, a Liga Árabe apresta-se para trair o Povo palestino, e para colocar os seus exércitos sob o comando de um Estado colonial.

Tradução
Alva

[1] National Security Strategy, (Ing-«Estratégia de Segurança Nacional»- ndT) White House, February 6, 2015. E o nosso comentário : “Obama rearma”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 9 de Fevereiro de 2015.

[2] “O presidente de Israel falou perante o Conselho de Segurança do Golfo em fins de novembro”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 8 de Dezembro de 2013.

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: Sous nos yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump. Outra obras : L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
Na ONU, a incapacidade USA de admitir a realidade
Na ONU, a incapacidade USA de admitir a realidade
Quatro vetos sucessivos sobre a mentira de Khan Sheikhun
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.