O antigo Chefe de Estado-Maior, depois Primeiro-ministro, Ehud Barak, anunciou, a 26 de Junho de 2019, o seu regresso à política. O seu partido político será lançado dentro de duas semanas. Uma sondagem (pesquisa-br) realizada durante o dia pelo Canal 13 creditou esta formação com 6 lugares (assentos-br) em 120 no próximo Knesset (parlamento israelita- ndT).

Ehud Barak é, ao mesmo tempo, estimado por todos (é o oficial mais condecorado do Tsahal) e muito impopular.

Ele foi a única personalidade israelita (israelense-br) a negociar seriamente com a Síria e os Palestinianos. Na presença do Presidente norte-americano Bill Clinton, ele conseguiu definir os termos de um acordo de paz definitivo com a Síria aquando das negociações de Genebra com o Presidente Hafez al-Assad. Depois conseguiu negociar os termos de um acordo quase completo com a OLP, aquando das negociações de Taba. No entanto, inquieto com a sua falta de apoio em Israel, não rubricou nem o acordo com a Síria, nem o acordo parcial com a OLP. No fim, o seu mandato terminou tristemente com a segunda Intifada. Ele foi corrido do seu posto de Primeiro-ministro, que apenas ocupara durante um ano e oito meses.

O regresso de Ehud Barak à política —que ele verdadeiramente jamais havia deixado— está repleto de consequências. Durante anos, ele manteve, sozinho, um discurso muito claro sobre a falta de ética na política. Em 2016, ele acusou explicitamente Benjamin Netanyahu de instaurar um «regime do apartheid» em Israel [1] e apelou aos juízes para investigar os seus actos de corrupção. Mesmo com um fraco resultado eleitoral, ele poderia, ao lado dos centristas do «Azul-Branco», ajudar a formar uma maioria para designar um novo Primeiro-ministro que já não seja Netanyahu.

Durante a sua conferência de imprensa, Ehud Barak sublinhou o seu compromisso para com uma solução negociada do conflito israelo-palestiniano, aparecendo ao lado de Kobi Richter.

Tradução
Alva

[1] “Ehud Barak acusa o governo de Netanyahu de instalar o apartheid”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 21 de Junho de 2016.