Rede Voltaire

Trump : a clarificação

Dois meses após a sua entrada na Casa Branca, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deveria clarificar a sua posição em relação ao plano dos seus predecessores de remodelagem do Médio-Oriente Alargado. Se ele deseja realmente pôr fim ao jiadismo deverá reconhecer a resiliência da Síria e reposicionar ao mesmo tempo o Reino Unido, a Arábia Saudita e a Turquia.

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 40.6 kb
Depois de ter proferido declarações apressadas sobre diversas questões militares diferentes, o Presidente Trump optou por confiar no seu Secretário da Defesa, o General James Mattis, em relação a todos os aspectos estratégicos e tácticos. A Casa Branca fixará os objectivos e os meios políticos enquanto o Pentágono terá carta branca para a sua concretização. Esta distinção entre o político e o militar não ocorria durante a Administração Obama : o Pentágono devia submeter toda a acção letal à Casa Branca.

Desde a nomeação do novo Secretário da Defesa, o General James Mattis, que o Presidente Donald Trump lhe pedira para preparar planos que permitissem não andar a deslocar os jiadistas para aqui ou para acolá, ou utilizar uns e não outros, mas, antes para os eliminar a todos.

Aquando do seu discurso diante do Congresso, a 28 de Fevereiro, ele confirmou que o seu objectivo era de acabar com o «terrorismo islâmico radical». Para prevenir erros de interpretação, ele precisou que as vítimas deste terrorismo eram tanto os muçulmanos como os cristãos. A sua posição não é pois contra o Islão, mas contra esta ideologia política que utiliza referências muçulmanas.

Parece que a cadeia de comando norte-americana será rapidamente corrigida. Uma vez o objectivo e os meios fixados pelo Presidente Trump, os militares teriam carta branca para conduzir a operação como entenderem. As responsabilidades seriam, portanto, partilhadas com antecedência: o Pentágono a assumir os excessos e a Casa Branca as derrotas .

É por isso que convêm precisar o mais rápido possível a posição dos Estados Unidos face à República Árabe Síria. Ela deverá ser anunciada a 22 de Março em Washington, durante uma reunião da Coligação anti-Daesh(EI) na qual participará o Secretário de Estado, Rex Tillerson. O mínimo que se pode dizer, é que de momento nada mudou sobre este assunto: a Embaixatriz Nikki Haley apoiou no Conselho de Segurança um enésimo projecto de Resolução franco-britânico contra a Síria e levou o sexto veto chinês e o sétimo russo.

O Embaixador sírio, Bashar Jaafari -Behind denunciou –-por trás da manobra franco-britânica de acusar sem provas, numa simples base de pretensos testemunhos emanando de grupos agressores--- uma tentativa para justificar uma mudança de regime e absolver Israel, responsável por posse de arma atómica apesar do Tratado de não-proliferação nuclear.

Acabar com o jiadismo significaria abandonar o plano conjunto de Londres e Washington para a remodelagem do Médio-Oriente Alargado, e de para aí colocar no Poder os Irmãos Muçulmanos em todo o lado. Seria reconhecer que as «Primaveras Árabes» não foram mais que a reedição pela CIA e pelo MI6 da «Revolta Árabe» de 1916. Isso forçaria o Reino Unido a abandonar um mapa que tem pacientemente construído ao longo de um século; a Arábia Saudita a desmantelar a Liga Islâmica Mundial, que coordena os jiadistas desde 1962; a França a renunciar ao seu delírio de um novo mandato sobre a Síria; e a Turquia a cessar de apadrinhar as suas organizações políticas. Não se trata, pois, com probabilidade, de uma decisão unicamente norte-americana, antes implicando, pelo menos, quatro outros Estados.

Apesar das aparências, esta decisão ultrapassa largamente a Síria. Remete para o possível fim da política imperial anglo-saxónica e das suas inumeráveis consequências nas relações internacionais. Trata-se, na realidade, do programa eleitoral de Donald Trump, mas ninguém sabe se ele poderá efectivamente colocá-lo em prática face à extraordinária oposição das elites dos EUA.

O Chefe do Estado-Maior Conjunto US, o General Joseph Dunford, por sua vez manteve uma reunião em Ancara com os seus homólogos turco e russo. Tratava-se de prevenir as interferências dos exércitos de uns sobre os outros num conflito com múltiplos actores. O Irão não fora convidado considerando que, no terreno, as suas Forças Armadas –-ao contrário do Hezbolla--- se contentam já, de há muito tempo, na defesa exclusiva das populações xiitas.

Enquanto o Exército Árabe Sírio libertava de novo Palmira, o contingente de militares dos EU, ilegalmente presente no território sírio, foi elevado para o numero de 900 soldados. Ele atravessou o norte da Síria dando o mais possível nas vistas.

A questão prática mais importante é a de saber sobre que tropas os EUA contam apoiar-se para atacar Rakka. A imprensa não pára de referir que o Pentágono se baseia nos Curdos do YPG, mas outras fontes evocam uma possível reprodução do esquema de Mossul: conselheiros dos Estados Unidos enquadrando o Exército Nacional.

No decurso da reunião de Ancara, o General Dunford parecia preocupado pelos previsíveis enfrentamentos turco-curdos, tanto mais que uma parte do YPG escolheu colocar-se sob a proteção de Damasco face ao anúncio de um possível ataque turco-mongol.

Na melhor das hipóteses, só a 22 de Março é que iremos saber se o Presidente Trump admite que a Administração Obama perdeu a sua guerra contra a Síria, e se ele age seriamente quando diz pretender querer erradicar o jiadismo. O que acontecerá então aos que foram, durante um século, os fiéis executantes da política britânica?

Tradução
Alva

Fonte
Al-Watan (Síria)

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: Sous nos yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump. Outra obras : L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.