Rede Voltaire
«A Arte da Guerra»

Líbia, sete anos de desgraça NATO

Sete anos após a intervenção militar da NATO contra a Líbia, todos os observadores concordam que se baseou em mentiras enormes e infringia o mandato do Conselho de Segurança. Se os ocidentais reconhecem agora que a população desse país era a mais rica de África e que o seu nível de vida desabou causando o seu exílio maciço, eles ainda não estão conscientes de que Muammar Gaddafi tinha vencido a escravidão e o racismo. Ao destruir o Estado, a NATO abriu deliberadamente os portões do inferno. Não só os trabalhadores imigrantes negros foram perseguidos, mas também os cidadãos líbios negros de Tawergha. Além do mais, o trabalho da Jamahiriya, de cooperação africana entre árabes e negros ficou reduzida a nada em todo o continente.

| Roma (Itália)
+
JPEG - 11.1 kb
A bandeira da dinastia Wahhabi do Sénoussi tornou-se, novamente, na da Líbia. Hoje, a escravidão também se tornou uma prática comum, como antes do golpe de Moamar Gaddafi, em 1969. A Líbia, a Arábia Saudita e, em menor medida, o Catar e o Emirado Sharjat, são quatro Estados Wahhabi que toleram esse crime.

Há sete anos, em 19 de Março de 2011, começou a guerra contra a Líbia, dirigida, primeiro, pelos Estados Unidos através do Comando África, depois pela NATO, sob comando USA. Em sete meses, foram efectuadas cerca de 10.000 ataques aéreos com dezenas de milhares de bombas e mísseis.

A Itália participava nesta guerra com caça bombardeiros e bases aéreas, arruinando o Tratado de amizade e cooperação entre os dois países. Já antes do ataque aéreo e naval, haviam sido financiados e armados na Líbia, os sectores tribais e os grupos islâmicos hostis ao governo e forças especiais infiltradas, em particular do Catar. Assim, foi demolido este Estado, que, na margem sul do Mediterrâneo, registava “altos níveis de crescimento económico e altos indicadores de desenvolvimento humano” (como documentou em 2010, o próprio Banco Mundial).

Encontravam trabalho nesse país, cerca de dois milhões de imigrantes, principalmente africanos. Ao mesmo tempo, a Líbia tornou possível, com os seus fundos soberanos, o aparecimento de organismos económicos independentes da União Africana: o Fundo Monetário Africano, o Banco Central Africano, o Banco Africano de Investimento.

Os Estados Unidos e a França – provam-no os emails da Secretária de Estado, Hillary Clinton - concordaram em bloquear o plano de Gaddafi para criar uma moeda africana, como alternativa ao dólar e ao franco CFA, imposto pela França a 14 das suas antigas colónias africanas.

Demolido o Estado e assassinado Gaddafi, os despojos a serem divididos na Líbia são enormes: as reservas de petróleo, a maior da África, e o gás natural; o imenso aquífero nubiano, o ouro branco numa perspectiva mais preciosa do que o ouro negro; o próprio território líbio, da maior importância geoestratégica; os fundos soberanos, cerca de 150 biliões de dólares investidos no exterior pelo Estado da Líbia, “congelados” em 2011, por ordem do Conselho de Segurança da ONU.

Dos 16 biliões de euros de fundos líbios, bloqueados no Euroclear Bank, na Bélgica, já desapareceram 10 biliões, sem nenhuma autorização de levantamento. A mesma rapina desenfreada acontece noutros bancos europeus e norte americanos.

Na Líbia, as receitas de exportação de energia, caem de 47 biliões de dólares, em 2010, para 14, em 2017, são repartidas, actualmente, entre grupos de poder e multinacionais; o dinar, que anteriormente valia 3 dólares, é hoje cambiado a uma taxa de 9 dinares por dólar, enquanto os bens de consumo devem ser importados pagando-os em dólares, originando uma inflação anual de 30%. O nível de vida da maioria da população caiu, por falta de dinheiro e serviços essenciais. Não há mais segurança, nem um verdadeiro sistema judicial.

A pior condição é a dos imigrantes africanos: sob a falsa acusação (alimentada pelos meios de comunicação mediáticos ocidentais) de serem “mercenários de Gaddafi”, foram presos pelas milícias islâmicas, mesmo em gaiolas de zoológicos, torturados e assassinados.

A Líbia tornou-se a principal via de trânsito, nas mãos dos traficantes humanos, de um fluxo migratório caótico em direcção à Europa.

Os líbios acusados ​​de apoiar Gaddafi também são perseguidos. Na cidade de Tawergha, as milícias islâmicas de Misurata apoiadas pela NATO (as que assassinaram Gaddafi) realizaram uma verdadeira limpeza étnica, exterminando, torturando e violando. Os sobreviventes, aterrorizados, tiveram de sair da cidade. Hoje, cerca de 40.000 vivem em condições desumanas e não podem voltar para Tawergha.

Por que razão é que se calam os notáveis da esquerda que, há sete anos, clamavam aos gritos pela intervenção italiana na Líbia, em nome de direitos humanos violados?

Tradução
Maria Luísa de Vasconcellos

Fonte
Il Manifesto (Itália)

Manlio Dinucci

Manlio Dinucci Geógrafo e geopolítico. Últimas publicações : Laboratorio di geografia, Zanichelli 2014 ; Diario di viaggio, Zanichelli 2017 ; L’arte della guerra / Annali della strategia Usa/Nato 1990-2016, Zambon 2016.

 
O exército de insectos do Pentágono
O exército de insectos do Pentágono
« A Arte da Guerra »
 
O Poder político das armas
O Poder político das armas
« A Arte da Guerra »
 
A estratégia da demonização da Rússia
A estratégia da demonização da Rússia
« A Arte da Guerra »
 
Abate de árvores, Camp Darby fortifica-se
Abate de árvores, Camp Darby fortifica-se
«L’arte della guerra»
 
A nova cortina de ferro
A nova cortina de ferro
« A Arte da Guerra »
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.