JPEG - 21.1 kb
Vladimir Putin

Os eventos na Ucrânia são o resultado de uma decisão dos Estados Unidos e europeia para dar um golpe no coração da esfera de influência estratégica da Rússia. A Ucrânia é de grande importância tanto economicamente quanto militarmente para a Rússia. Situada entre a Ásia e a Europa Oriental, é um acesso raro a água quente, com a frota do Mar Negro baseada na Crimeia. É através da Ucrânia, também, que passam tubulações suprindo a Europa de gás russo.

Não é preciso dizer que o golpe de Estado europeu-americano na Ucrânia é inconstitucional e não tem nada de democrático ou pacífico. Constitui uma violação flagrante do acordo assinado sob os auspícios de chanceleres europeus entre o Presidente Viktor Ianoukovitch e a oposição. O papel da inteligência americana e europeia é evidente nos eventos que levaram à expulsão de Ianoukovitch, que se refugiou na Rússia.

Esta escalada ocidental contra a Rússia pretende impor a Moscou as regras da nova parceria internacional liderada pelos Estados Unidos, de acordo com o conceito de Richard Haas, Presidente do Instituto Americano para as Relações Exteriores.

Estes desenvolvimentos colocam à Rússia o desafio de defender a sua segurança nacional e seus interesses mais altos, bem como a sua concepção de parceria internacional com os Estados Unidos.

Temos de reconhecer que a Rússia demonstrou negligência na véspera da II Conferência de Genebra, na Síria, que tem incentivado Washington e o oeste a testar a possibilidade de forçar o braço do comando russo e dedicar precedentes e impor o fato consumado.

Ao aceitar que o Irão não foi convidado para a II Conferência de Genebra, e que o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, continua a receber ordens dos Estados Unidos, a Rússia deu sinais de submissão ao conceito de parceria liderada pelos americanos, em detrimento da lógica do equilíbrio e responsabilidades iguais. Isto, naturalmente, levou os americanos e os ocidentais a ser arrogantes e a multiplicar atos provocativos, que ocorreram na conferência de Munique sobre a Ucrânia e o escudo anti-míssil.

O Estado sírio conseguiu, através de sua firmeza na gestão do confronto, derrotar a agressão e manter sua aliança com a Rússia. A solidez, a racionalidade e o espírito de resistência com os quais a delegação do governo sírio negociou em Genebra ajudaram a inviabilizar o plano dos EUA para explorar as lacunas aparecidas devido a fraqueza relativa da Rússia. Hoje, depois do que aconteceu na Ucrânia, qualquer avaliação da Rússia deve conduzir a maior firmeza na luta contra o terrorismo e o isolamento de todos os Estados envolvidos no apoio ao terrorismo. Isso deve habilitar o Conselho de Segurança a agir contra os patrocinadores do terrorismo, em conformidade com a visão defendida por Síria e Irã. Um terrorismo apoiado, financiado, armadose treinado pelos Estados-satélite dos Estados Unidos, incluindo a Turquia, Qatar e Arábia Saudita.

Síria e o Irão têm feito sérios esforços para preservar e fortalecer sua aliança com a Rússia, enquanto tendo o cuidado de preservar os cálculos de Moscou, mesmo quando eles não estavam totalmente convencidos da análise russa.

Seja qual for a natureza da resposta da Rússia na Ucrânia, será em harmonia com a uma política mais firme da Rússia no arquivo sírio. Enquanto isso, o Estado sírio e seus aliados fazem sucesso político e militar e a liderança Síria tem um crescente apoio popular. Os Estados Unidos estão se preparando para cobrir um plano israelense para estabelecer uma "zona amortecedora de segurança" na Síria, sob o controle de uma milícia síria auxiliar de Israel.

Alguns meses nos separam do momento da verdade no Afeganistão, onde a administração Obama será forçada a abrir canais de negociações com o Irão e a Rússia. Esses meses irão testemunhar o surgimento de novas equações para estabelecer uma nova parceria internacional, que deve começar com uma mudança na estrutura do equilíbrio de poder na ONU para libertar a organização da hegemonia americana.

A vitória da Síria, que aparece no horizonte, será coroada pela reeleição do Presidente Bashar al - Assad, conforme reconhecido por relatórios de inteligência dos EUA enviados ao Congresso dos Estados Unidos.

Nós então vão testemunhar o nascimento de um novo mundo.

Tradução
Marisa Choguill
Fonte
New Orient News