O Instituto Reuters para o estudo do Jornalismo na Universidade de Oxford publicou um estudo sobre a difusão de falsas informações pela internet, em França e na Itália.

Em relação à França, ele apoiou-se na lista de sítios «não confiáveis» estabelecida pelo Le Monde. Dela, ele excluiu o Voltairenet.org.

Publicado numa dezena de línguas, o Voltairenet.org tornou-se, numa quinzena de anos, uma fonte de análise reconhecida por inúmeros ministérios de Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores-br) e da Defesa no mundo, os quais repetem os seus artigos nas suas revistas de imprensa.

O estudo do Instituto Reuters mostra que inúmeros artigos são muito mais lidos via Facebook do que nos sítios Internet que os publicaram.

No entanto, o estudo não vai mais longe. Com efeito, é impossível comparar a influência de sítios Internet comerciais e não comerciais (ou seja, públicos e sem publicidade). Alguns incluem todo o tipo de rubricas, enquanto outros apenas uma temática específica ; alguns forçam os leitores a ir ler os seus artigos em casa e outros, pelo contrário, incentivam a retoma dos seus artigos sobre novos suportes ; etc.

Tradução
Alva

Measuring the reach of fake news and online distribution in Europe, Reuters Institute, February 2018. (PDF - 1.9 Mo)