Rede Voltaire
«Sob os nossos olhos»

Extensão da guerra do gaz ao Levante

Após três anos de guerra contra a Síria, os «Ocidentais» estenderam deliberadamente a sua ofensiva ao Iraque, depois à Palestina. Por trás das aparentes contradições políticas entre partidos religiosos e laicos, sólidos interesses económicos explicam esta estratégia. No Levante, numerosos grupos mudaram várias vezes de campo, mas as jazidas de gaz são imutáveis.

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 8 kb

Qualquer guerra que é empreendida por uma coligação (coalizão-Br), naturalmente, prossegue objetivos múltiplos de modo a satisfazer os interesses próprios de cada um dos membros da coligação.

Deste ponto de vista, os combates que grassam, neste momento, na Palestina, na Síria e no Iraque têm em comum o facto de serem conduzidos por um bloco formado pelos Estados Unidos contra povos que lhes opõem resistência, de prosseguir o plano de remodelagem do «Próximo-Oriente alargado» (Greater Middle East), e de modificar o mercado mundial da energia.

A propósito deste último ponto, duas coisas podem mudar: o traçado de oleodutos e a exploração de novos campos [1].

A guerra de contrôlo dos oleodutos no Iraque

Desde o princípio da guerra contra a Síria, a Otan tenta cortar a linha Teerão- Damasco (NIORDC, INPC) em proveito de corredores de tráfego permitindo encaminhar, ao mesmo tempo, pela costa síria o gás catari (Exxonmobil) e o da Arábia Saudita (Aramco) [2].

Um passo decisivo foi levado a cabo com a ofensiva no Iraque do Emirado islâmico, que cindiu longitudinalmente o país, e separou de uma parte o Irão(Irã-Br) e de outra a Síria, o Líbano e a Palestina [3].

Este objetivo visível determina quem venderá o seu gás na Europa e, como resultado do volume de aprovisionamento, qual o preço a que o poderá vender. Basta dizer que os três principais exportadores de gás (Rússia, Catar e o Irão) estão envolvidos nesta guerra.

A guerra de conquista do gaz sírio

A Otan juntou um segundo objetivo: o contrôlo das reservas de gás do Levante, e depois a sua exploração. Se todo o mundo sabe há décadas que o Sul do mar Mediterrâneo contém vastos campos de gás em águas territoriais do Egipto, de Israel, da Palestina, do Líbano, da Síria, da Turquia e de Chipre, apenas os «ocidentais» sabiam, desde 2003, como estavam distribuídos estes campos, e como eles se prolongavam por baixo do continente.

Tal como o revelou o professor Imad Fawzi Shueibi [4], à época, uma companhia norueguesa, a Ansis, conduziu legalmente na Síria uma sondagem do país em cooperação com a companhia nacional de petróleos. A Ansis também trabalhou com uma outra companhia norueguesa, Sagex. Ambas, corromperam um responsável dos serviços secretos, procederam secretamente a pesquisas em três dimensões e descobriram a incrível área de extensão das reservas sírias. Sendo que estas são mais importantes que as do Catar.

Posteriormente, a Ansis foi adquirida pela Veritas SSGT, uma companhia franco- americana sediada em Londres. Os dados foram imediatamente transmitidos aos governos francês, americano, britânico e israelita, os quais concluíram logo uma aliança para destruir a Síria e roubar o seu gaz.

Depois de os Estados Unidos terem confiado, em 2010, à França e ao Reino Unido o cuidado de re-colonizar a Síria, estes treinaram uma coligação com o nome de «os Amigos da Síria». Ela reuniu um «Grupo de trabalho para a reconstrução económica e o desenvolvimento», que se reuniu em maio de 2012 nos Emirados Árabes Unidos sob presidência alemã [5].

Aproximadamente uns sessenta países dividiram, então, o bolo que eles ainda nem tinham conquistado. Claro que, a maioria dos participantes ignoravam as descobertas da Ansis e da Sagex. O Conselho Nacional sírio foi representado neste grupo de trabalho por Ossama al-Kadi, antigo responsável na British Gas (companhia de gás Britânica-ndT) pela aplicação de estratégias militares ao mercado da energia.

Foi apenas no verão de 2013 que o governo sírio foi informado das descobertas da Ansis e da Sagex, entendendo assim como Washington tinha conseguido compôr a coligação que tentou destruir o país. Desde então o presidente Bachar el-Assad assinou contratos com companhias russas para a sua exploração futura.

O gaz em Israel, na Palestina e no Líbano

Por sua vez a British Gas exploraria as reservas palestinas, mas Israel opunha-se à sua exploração temendo que os “royalties” fossem usados para comprar armas.

Em julho de 2007, o novo enviado especial do Quarteto (ONU, U.E, Rússia, EUA), Tony Blair, negociou um acordo entre palestinos e israelitas (israelenses-Br) permitindo explorar os campos Marine-1 e Marine-2 em Gaza. O primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Salam Fayyad, concordou que a British Gas pagasse os “royalties” devidos à Autoridade Palestiniana a uma conta bancária controlada por Londres e Washington, de modo a garantir que esse dinheiro seja apenas usado no desenvolvimento económico.

À época, o antigo Chefe do Estado-Maior do Exército israelita, general Moshe Yaalon, publicou um artigo sonante, no «site» do Centro de Jerusalém para Assuntos Públicos, em que ele observava que este acordo não resolvia o problema porque, em última análise, o Hamas iria apanhar uma parte do dinheiro enquanto estivesse no poder em Gaza. Ele concluía que a única maneira de garantir que este maná não serviria para financiar a resistência seria lançar uma «operação militar global para arrancar o Hamas de Gaza» [6] .

Em outubro de 2010 as coisas complicaram-se ainda mais, com a descoberta pela Noble Energy Inc. de uma mega jazida de gás off-shore(no mar), a Leviatã, em águas territoriais israelitas e libanesas, juntando-se a que tinha sido descoberta pela British Gas em 2001, a Tamar [7] .

O Líbano, por instigação do Hezbolla, convocou imediatamente a ONU e fez valer os seus direitos de exploração. No entanto, Israel começou a extrair o gás a partir desses bolsões comuns, sem ligar às reclamações libanesas.

A guerra pelo gaz palestiniano

A actual ofensiva israelita em Gaza visa vários objectivos. Primeiro, a Mossad organizou o anúncio do rapto e da morte de três jovens israelitas de modo a impedir o Knesset(parlamento de Israel-ndT) de adoptar uma lei em relação à libertação de «terroristas» [8]. Em seguida, o actual Ministro da Defesa, o general Moshe Yaalon, usou este pretexto para lançar uma ofensiva contra o Hamas, aplicando a sua análise de 2007 [9] .

O novo presidente egípcio, o general Abdel Fattah al-Sisi, contratou Tony Blair para o aconselhar, sem que ele renunciasse entretanto ao seu cargo de representante do Quarteto [10]. Prosseguindo a defesa dos interesses da British Gas, ele sugeriu então uma «iniciativa de paz» totalmente inaceitável para os Palestinos, que eles, aliás, recusaram enquanto Israel a aceitava. Esta manobra visava, claramente, proporcionar a ocasião ao Tsahal (exército de Israel-ndT) de prosseguir a sua ofensiva para «arrancar o Hamas de Gaza». Não é por acaso que Tony Blair não é pago por este trabalho pelo Egipto, mas sim pelos Emirados Árabes Unidos.

Como de costume, o Irão e a Síria apoiaram a Resistência Palestiniana (Jihade Islâmica e Hamas). Desta forma, eles mostraram também a Telavive que têm a capacidade de atacá-la tanto na Palestina, quanto ela os ataca no Iraque através do Emirado Islâmico e dos Barzani.

Apenas a leitura dos eventos de um ponto de vista energético permite compreendê- los. Porque não é politicamente do interesse de Israel destruir o Hamas, que ele ajudou a criar para enfraquecer a Fatah. Também não é mais do interesse da Síria ajudá-lo a resistir, quando ele se aliou à Otan e enviou jihadistas para lutar contra o país. O período da «Primavera Árabe» que devia levar ao poder a Irmandade Muçulmana, (do qual o Hamas é o ramo palestino), em todos os países árabes, é passado. Em última análise, o imperialismo anglo-saxão é sempre movido pelas ambições económicas, que ele impõe desprezando as lógicas políticas locais. A clivagem que estrutura, perduravelmente, o mundo árabe, não é entre partidos religiosos e seculares mas, sim, entre Resistentes e Colaboracionistas do imperialismo.

Tradução
Alva

Fonte
Al-Watan (Síria)

[1] «La guerre en Syrie : une guerre pour l’énergie ?» (Fr-«A guerra na Síria: uma guerra pela energia?»-ndT), por Alexandre Latsa, RIA Novosti/Réseau Voltaire, 18 de setembro de 2013.

[2] «Jihadismo e indústria petrolífera», por Thierry Meyssan, Al-Watan/Réseau Voltaire, 23 de junho de 2014.

[3] «Síria: a Otan visa o gasoduto»; «Syrie : la course à l’or noir» (Fr-«Síria: a corrida ao ouro negro»-ndT), por Manlio Dinucci, Il Manifesto/Réseau Voltaire, 10 de outubro de 2012 e 2 de abril de 2013.

[4] Syrie : 10 ans de résistance (Síria : 10 anos de resistência), uma emissão em seis episódios concebida e produzida por Thierry Meyssan, Televisão por satélite síria, junho de 2014. A versão disponível na internet está acessível ao público francófono. Ela é quase inteiramente em francês ou legendada em francês, com excepção das intervenções do general Wesley Clark, de Alfredo Jalife e do general Leonid Ivashov. Além disso, o professor Shueibi havia já dado uma visão do assunto antes de ser informado das descobertas da Ansis e da Sagex: « La Syrie, centre de la guerre du gaz au Proche-Orient» («A Síria, centro da guerra do gaz no Próximo-Oriente», por Imad Fawzi Shueibi, Réseau Voltaire, 8 de maio 2012- (Notas do tradutor).

[5] «Les « Amis de la Syrie » se partagent l’économie syrienne avant de l’avoir conquise» (Fr-«Os “Amigos da Síria” dividem a economia síria antes de a ter conquistado»-ndT), pelo German Foreign Policy, Horizons et débats/Réseau Voltaire, 14 de junho de 2012.

[6] «Does the Prospective Purchase of British Gas from Gaza Threaten Israel’s National Security ? » (Ing-«A possível compra do Gaz de Gaza pela British Gas ameaça a Segurança Nacioanl de Israel?»-ndT), pelo Lt.-Gen. (ret.) Moshe Yaalon, Jerusalem Center for Public Affairs, 19 de outubro de 2007. «Ya’alon : British Gas natural gas deal in Gaza will finance terror» (Ing-« Gen. Ya’alon: negócio do gaz natural da British Gas financiará o terrorismo»-ndT), por Avi Bar-Eli, Haaretz.

[7] «Le bassin du Levant et Israël - une nouvelle donne géopolitique ?» (Fr-«A bacia do Levante e Israel – um dado geopolítico novo?»-ndT), por F. William Engdahl, Réseau Voltaire, 29 de maio de 2012.

[8] «Le chef du Mossad avait prédit l’enlèvement de trois jeunes Israéliens» (Fr-«O chefe da Mossad tinha predito o rapto de três jovens Israelitas»-ndT), por Gerhard Wisnewski, Réseau Voltaire, 8 de julho de 2014.

[9] «IDF’s Gaza assault is to control Palestinian gas, avert Israeli energy crisis» (Ing-«Ataque de Gaza pelas FDI é para controlar gaz Palestino, prevenir crise energética de Israel»-ndT) , por Nafeez Ahmad, The Guardian, 9 de julho de 2014. «Gaza : le gaz dans le viseur» (Fr-«Gaza: o gaz na mira»-ndT), por Manlio Dinucci, Il Manifesto/Réseau Voltaire, 17 julho de 2014.

[10] “Presidente al-Sissi escolheu Tony Blair como consultor econômico”, Traduction Alva, Rede Voltaire, 4 de Julho de 2014.

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
15 anos de crimes
15 anos de crimes
Do 10 de Setembro de 2001 aos dias de hoje
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.