Rede Voltaire
“A Arte da Guerra”

O verdadeiro livro explosivo é o que foi assinado por Trump

| Roma (Itália)
+
JPEG - 42.6 kb

Todos falam acerca do livro explosivo sobre Trump, com revelações sensacionais do modo como Donald dispõe o seu tufo de cabelo, de como ele e a esposa dormem em quartos separados, o que se murmura atrás dele nos corredores da Casa Branca, o que o filho mais velho fez que, ao encontrar-se com uma advogada russa, na Torre Trump, em Nova York, traiu a pátria e alterou o resultado das eleições presidenciais.

No entanto, quase ninguém fala sobre um livro com um conteúdo verdadeiramente explosivo, publicado há pouco e assinado pelo presidente Donald Trump: "NationalSecurity Strategy = Estratégia da Segurança Nacional dos Estados Unidos". É um documento periódico elaborado pelos poderes máximos das várias administrações, sobretudo das administrações militares. A respeito do anterior, publicado pela Administração Obama, em 2015, o da Administração Trump contém elementos de continuidade considerável.

O conceito basilar é que, para "colocar a América em primeiro lugar para que seja segura, próspera e livre", é necessário ter "força e vontade para exercer a liderança dos EUA no mundo". O mesmo conceito expresso pelo governo Obama (bem como os anteriores): "Para garantir a segurança do povo, a América deve dirigir a partir de uma posição de força".

A respeito do documento de estratégia da Administração Obama, que falava da "agressão russa à Ucrânia" e do "alerta para a modernização militar da China e da sua presença crescente na Ásia", o livro da Administração Trump é muito mais explícito: "A China e a Rússia desafiam o poder, a influência e os interesses da América, tentando diminuir a sua segurança e prosperidade". Desta forma, os autores do documento estratégico descobrem as cartas, mostrando o que está em jogo para os Estados Unidos: o risco crescente de perder a supremacia económica perante o aparecimento de novos actores estatais e sociais, sobretudo a China e a Rússia, que estão a tomar medidas para reduzir o domínio do dólar que permite aos EUA manter um papelpreponderante, imprimindo dólares cujo valor se baseia não na capacidade económica real dos EUA, mas no facto de serem usados ​​como moeda global. "A China e a Rússia - sublinha o documento estratégico - querem formar um mundo incompatível com os valores e com os interesses dos EUA.

A China procura tomar o lugar dos Estados Unidos na região do Pacífico, divulgando o seu modelo de economia estatal. A Rússia procura recuperar o seu estatuto de grande potência e estabelecer esferas de influência junto às suas fronteiras. Pretende enfraquecer a influência dos EUA no mundo e afastar-nos dos nossos aliados e parceiros". Daí uma verdadeira declaração de guerra: "Vamos competir com todos os instrumentos do nosso poder nacional para garantir que as regiões do mundo não sejam dominadas por uma única potência", ou seja, para garantir que todos estejam dominados pelos Estados Unidos. Entre "todos os instrumentos", estão incluídas, obviamente, as forças militares, nas quais os EUA são superiores.

Como sublinhava o documento estratégico da Administração Obama, "possuímos uma força militar cujo poder, tecnologia e alcance geoestratégico não tem igual na História da Humanidade; temos a NATO, a aliança mais forte do mundo ". A "Estratégia da Segurança Nacional dos Estados Unidos", assinada por Trump, envolve a Itália e os outros países da NATO, chamados a fortalecer o flanco oriental contra a "agressão russa" e a destinar, pelo menos, 2% do PIB para as despesas militares e 20% do mesmo para a aquisição de novas forças e armas. A Europa vai para a guerra, mas não se fala deste problema nos debates televisivos: este assunto não é um tema eleitoral.

A Estratégia de Segurança Nacional de Donald Trump”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 27 de Dezembro de 2017.

Tradução
Maria Luísa de Vasconcellos

Fonte
Il Manifesto (Itália)

Manlio Dinucci

Manlio Dinucci Geógrafo e geopolítico. Últimas publicações : Laboratorio di geografia, Zanichelli 2014 ; Diario di viaggio, Zanichelli 2017 ; L’arte della guerra / Annali della strategia Usa/Nato 1990-2016, Zambon 2016.

 
O exército de insectos do Pentágono
O exército de insectos do Pentágono
« A Arte da Guerra »
 
O Poder político das armas
O Poder político das armas
« A Arte da Guerra »
 
A estratégia da demonização da Rússia
A estratégia da demonização da Rússia
« A Arte da Guerra »
 
Abate de árvores, Camp Darby fortifica-se
Abate de árvores, Camp Darby fortifica-se
«L’arte della guerra»
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.