Rede Voltaire
William Engdahl a "Russia Today":

«França faz o papel de pistoleiro dos Estados Unidos na Síria»

+

O presidente francês François Hollande (ao centro) e o seu ministro dos Negócios Estrangeiros Laurent Fabius (segundo à direita) posam em companhia de opositores sírios por ocasião da terceira reunião do grupo de “Amigos da Síria”, realizada em Paris a 6 de julho de 2012. Foto: Reuters

«A França está se encarregando de prover os rebeldes sírios com dinheiro e artilharia por conta dos Estados Unidos, que não querem sujar as mãos antes das eleições presidenciais de novembro», declarou o professor norte-americano William Engdahl ao canal de televisão Russia Today.

Segundo uma fonte diplomática citada pela agência britânica Reuters, a mencionada ajuda está chegando, desde a passada sexta-feira, a cinco autoridades locais de supostas «zonas libertadas» nas províncias sírias de Deir al-Zor, Alepo e Idlib.

Na sua entrevista à Russia Today, William Engdahl, conhecido pelas suas acertadas análises e investigações sobre temas geopolíticos, sublinha que esse tipo de actuação não pode senão agravar o derramamento de sangue na Síria.

RT: Porque é que a França está a envolver-se tanto na Síria? Que busca Paris com o seu apoio aos rebeldes?

William Engdahl: Penso que França está sendo um «vendedor de paz» muito desonesto em todo este processo. Penso que está actuando, se quisermos, como um agente do Departamento de Estado norte-americano até que passem as eleições nos Estados Unidos. Obama não quer meter-se no que seria um complicado conflito direto na Síria até que os eleitores estado-unidenses se tenham pronunciado. Penso que a França está a fazer o papel de pistoleiro a soldo e que a ideia de entregar artilharia pesada a estas chamadas «zonas tampão» é do mais cínico que se pode imaginar. Isto vai fomentar a guerra civil, vai fomentar o derramamento de sangue, tudo menos paz. É, portanto, uma das jogadas mais perigosas de todo o envolvimento da OTAN na Síria nos últimos 18 meses.

RT: Pode bastar a ajuda direta francesa para inclinar a balança no conflito sírio?

WE: Bem, penso que se nos focarmos no que se vem reportando sobre a actuação da Irmandade Muçulmana desde que chegou à presidência do Egipto vê-se que a oposição síria está dominada pela Irmandade Muçulmana, é a mesma organização e o seu plano a longo prazo é a introdução de um fanatismo islâmico ao estilo da al-Qaeda ou Talibã, com a aplicação da sharia na Síria e acabar com a tolerância em relação às diferentes religiões que tem sido o signo distintivo da vida na Síria durante décadas, sob o governo da família al-Assad.

Jornalistas que estão na Síria reportaram nos últimos meses que a chamada oposição se compõe em muitos casos de [membros da] al-Qaeda ou de mujahedines armados trazidos desde a Arabia Saudita ou de outros lugares, que decapitam civis e acusam o governo dessas atrocidades. Para ter uma ideia do que seria reconhecer ou criar um governo no exilio teria que imaginar-se o governo russo reconhecendo o Ku-Klux- Klan como governo dos Estados Unidos no exilio e entregar-lhe artilharia pesada para colocá-lo em condições de lutar contra Washington ou algo do género. É simplesmente absurdo.

RT: Que ganha a França ao liderar, ao assumir o comando na Síria?

WE: Pois, é uma boa questão. Historicamente, a elite francesa, se quisermos desde a época de Napoleão, sempre teve a tendência – no plano geopolítico – para assumir posições que estão muito acima das suas possibilidades. E, penso que a partir de Sarkozy e a partir do respaldo dos militares a Sarkozy para regressar à OTAN, sempre tem tido a tendência, ante cada decisão internacional de importância, para ir acima das suas possibilidades, com consequências catastróficas para a França. A aventura síria em que se meteu o governo Hollande-Fabius [Laurent Fabius é o ministro francês das Relações Exteriores. NdR. ] pode explodir-lhe na cara , e até ao mundo inteiro ao converter-se na Terceira Guerra Mundial se houver erro de cálculo. É o assunto mais perigoso que eu estou a assistir em 37 anos como analista de temas geopolíticos.

Tradução
Alva

Fonte
Russia Today (Rússia)

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
Autores: diplomatas, economistas, geógrafos, historiadores, jornalistas, militares, filósofos, sociólogos ... poderá enviar-nos seus artigos.
Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O início da viragem do mundo
A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico
O início da viragem do mundo
Thierry Meyssan
Ucrânia, objectivo na mira
«A arte da guerra»
Ucrânia, objectivo na mira
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Os «salvadores» do Iraque
«A arte da guerra»
Os «salvadores» do Iraque
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Ofensiva global NATO
"A arte da guerra"
Ofensiva global NATO
Rede Voltaire
 
Quem é o inimigo?
Israel
Quem é o inimigo?
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
A metamorfose de Bachar el-Assad
A metamorfose de Bachar el-Assad
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
Extensão da guerra do gaz ao Levante
«Sob os nossos olhos»
Extensão da guerra do gaz ao Levante
Thierry Meyssan, Rede Voltaire
 
O «Curdistão», versão israelita
«Sob os nossos olhos»
O «Curdistão», versão israelita
Thierry Meyssan, Rede Voltaire