JPEG - 13 kb
Mohammed Abdel-Raouf Arafat As Qudwa al-Hussaeini

Com sua morte anunciada e desmentida inúmeras vezes nos últimos dias, o mundo inteiro manteve a respiração suspensa na direção de uma cama de hospital em Paris, onde agonizava Yasser Arafat. Líder incontestável dos palestinos e símbolo há mais de 40 anos de sua luta pela independência, o ex-guerrilheiro, eleito por uma esmagadora maioria presidente da Autoridade Palestina em 1996, tornou-se muito popular entre seus conterrâneos e correligionários.

Seus métodos autocráticos e a corrupção não ausente da Autoridade Palestina são criticados, mas qualquer contestação era esquecida quando a saúde do "velho", como o chamavam afetuosamente as pessoas próximas, mostrava-se cada dia mais frágil e sua morte parecia iminente. Como agora, por exemplo.

Após os acordos de Oslo sobre a autonomia palestina, assinados em setembro de 1993 e que lhe valeram o Prêmio Nobel da Paz no ano seguinte, Arafat tornou-se parceiro do então primeiro-ministro israelense, o trabalhista Yitzhak Rabin. Ambos os líderes, naquele período, procuravam uma solução negociada para o conflito entre os dois povos. Mas o assassinato de Rabin, em 1995, por um extremista judeu, os obstáculos encontrados para aplicar os acordos e uma série de atentados suicidas palestinos em Israel mudaram a situação que se encaminhava para uma tolerância maior e reacendeu a belicosidade que se tornara apenas latente.

Atualmente, Arafat não era visto com bons olhos pelo primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, e sua atuação e liderança encontravam-se bastante limitadas por estar no epicentro dos conflitos que banham de sangue as terras do Oriente Médio, dividindo sobretudo israelenses e palestinos.

Neste momento, no entanto, a belicosidade parece conceder uma trégua e fazer respeitoso silêncio diante da morte do líder palestino. Mesmo seu grande adversário, Ariel Sharon, e integrantes de seu gabinete concordaram, nesta quarta-feira, que o enterro de Arafat, seja realizado em Ramallah, na Cisjordânia, sendo seu corpo antes brevemente velado no Egito.

Apesar do gesto pacificador, não há lugar para cantar vitórias. As restrições e a defensiva de parte a parte continuam. Embora concordando com o sepultamento de Arafat na Muqata, quartel general da Autoridade Palestina na Cisjordânia, o acesso ao funeral do líder palestino sofrerá restrições de comparecimento. Teme-se pela segurança de quem comparecer, inclusive de chefes de estado de outros países.

Arafat está agora mais perto do que nunca do encontro em profundidade com o Deus de sua fé. Movido por sua religião, converteu-se em controvertido líder político, visto por uns como o chefe maior da causa palestina e combatente pela paz, e por outros como um temível terrorista.

Nada disso importa muito agora. Com a morte de Arafat, a facção palestina por ele representada se encontra órfã e acéfala. Importa, sim, o futuro do projeto de paz que mobilizou Arafat e o fez mobilizar outros tantos: a tão almejada paz no sofrido Oriente Médio.

Como será o futuro dessa tão conflitiva região do globo após a morte de Arafat? Haverá alguém que tome seu lugar na balança de poder diante da força de Sharon e do Estado de Israel? O projeto de Arafat encontrará sucessor à altura, para empenhar-se pela paz mesmo sendo muitas vezes marginalizado e ignorado pelas grandes potências?

Se todo sofrimento e toda morte carregam consigo uma dimensão de redenção, podemos esperar que a agonia do velho líder palestino não fuja a esta regra. A abertura demonstrada pelo primeiro-ministro Sharon com relação a seu funeral é um sinal, ainda que tênue e modesto, de um desejo de que a paz, o perdão e a reconciliação superem o ódio fratricida que castiga o Oriente Médio há algumas décadas.

Nestes tempos tão obscuros e violentos em que vivemos, muitas vezes devemos contentar-nos com sinais, nada mais que sinais. A nós, que acreditamos que são bem-aventurados os construtores da paz, nos é pedido neste momento renovar a esperança de que a pequena semente de paz que a vida de Arafat deixou plantada nas areias palestinas possa frutificar em negociações mais eficazes para o estabelecimento da verdadeira paz que porá fim a uma guerra entre irmãos, sem sentido nem objetivo.

De onde estiver, o velho Arafat contemplará feliz a paz que se estende finalmente sobre seu povo e sua terra. É permitido esperar que assim seja. Inch’Allah!