Os jornalistas que puderam visitar a cidade síria de Qoussair após a sua libertação pelo Exército Árabe Sírio constataram a ausência total de civis.

Desde o início da batalha de Qoussair, o OSDH - Observatório Sírio dos Direitos Humanos, (orgão da Irmandade Muçulmana com sede em Londres, e “orientado” pelo MI-6), afirmava que a população estava a defender a cidade contra as tropas do governo.

O OSDH forneceu assim cifras imaginárias de vítimas civis permitindo à imprensa dos países da OTAN e das monarquias do Conselho de Cooperação do Golfo gritar por massacre.

Quando na realidade o Exército Árabe Sírio esperou que a população civil acabasse de sair da cidade para empreender então o ataque. Precisamente antes da libertação de Qoussair, um milhar de combatentes rebeldes aproveitou para escapar.

Tradução
Alva