O Procurador-Geral da Rússia classificou, a 10 de Março de 2020, a European Endowment for Democracy (EED) de «organização indesejável». Ela foi, assim, convidada a cessar as suas actividades na Rússia sob pena de prisão.

É a vigésima organização interdita na Rússia.

A European Endowment for Democracy (EED) é a cópia da União Europeia da National Endowment for Democracy (NED) dos Estados Unidos, igualmente declarada indesejável na Rússia.

Este dispositivo foi concebido pelo Presidente Ronald Reagan (1983) durante a Guerra Fria, no quadro da Carta do Atlântico (1941). Tratava-se de utilizar os trotskistas norte-americanos e britânicos contra os estalinistas soviéticos a fim de concretizar a «revolução mundial» dirigida pelos Anglo-Saxões. O mesmo decreto instituiu a National Endowment for Democracy (NED -«Fundação Nacional para a Democracia»-ndT) , cujo orçamento é votado junto com o do Departamento de Estado e o US Institute of Peace (Instituto dos EUA para a Paz»-ndT)(USIP), cujo orçamento é votado com o do Departamento da Defesa. Foram solicitadas todas as forças vivas dos Estados Unidos pelo Presidente Reagan, incluindo as da esquerda, contra o «Império do Mal» (doutrina Kirkpatrick). Organizações “irmãs” foram criadas na Austrália, no Canadá, na Nova Zelândia e no Reino Unido.

Este dispositivo foi mantido após a dissolução da URSS. Ele foi particularmente eficaz na preparação de Golpes de Estado mediatizados sob o nome de «revoluções coloridas». Em 2006, tomando consciência dessa nova forma de guerra secreta, vários países interditaram as actividades da NED e do USIP, entre os quais a Rússia. Além disso, a Alta Representante da União Europeia, a Britânica Catherine Ashton, criou, em 2012, a European Endowment for Democracy para continuar esse trabalho. Esta organização jogou um papel central nomeadamente no golpe do Euromaidan (Ucrânia 2013). Após um momento de reflexão, a União Europeia emitiu, em 27 de Março, um protesto contra a Justiça russa.

Tradução
Alva