Rede Voltaire

Os mísseis mar-terra russos

Na Síria, o exército russo conseguiu compensar a retirada das suas três esquadrilhas de bombardeiros com mísseis modernos lançados a partir de navios de guerra.

| Bucareste (Roménia)
+
JPEG - 36.3 kb

As ações militares empreendidas pela Rússia contra os terroristas do Daesh(E.I.) na Síria criaram surpresa no mundo inteiro. Depois de ter desmontado o mito segundo o qual os aviões russos seriam incapazes de realizar ataques com armas de precisão, agora a Rússia quebra um outro mito, segundo o qual os navios russos são velhos e mal armados por comparação com os das frotas militares ocidentais.

No fim do mês de Outubro, o Exército Árabe Sírio conseguiu cercar e isolar, completamente, cerca de 7 a 10 000 combatentes da Fatah Jabhat al-Sham (antiga Frente al-Nusra, o ramo sírio da Al-Qaida) e do Daesh(EI) no Leste de Alepo.

JPEG - 105.3 kb

Após o sucesso desta operação, a ofensiva do Exército Árabe Sírio em Alepo Ocidental, que provocou mais de 1. 000 mortos entre os combatentes do Fatah al-Sham e Jabhat Jaish al-Fatah, criou grandes brechas no dispositivo dos mercenários islamitas. O Exército Árabe Sírio pôde assim introduzir, maciçamente, blindados através destas brechas e conseguiu atingir um avanço considerável.

O único obstáculo ao êxito do Exército Árabe Sírio poderia acontecer pelo envio de reforços aos mercenários islamistas, pelos seus companheiros concentrados numa zona da província de Idlib, situada a 30-40 km da cidade de Alepo. Cerca de 20.000 mercenários islamistas estão colocados nesta zona de concentração, sendo que alguns deles foram armados e treinados para operações clandestinas pela CIA e pelo Pentágono. Para evitar o afluxo de mercenários islamistas ao Oeste de Alepo, a Rússia decidiu aumentar a sua Força Aérea táctica, já implantada na Síria, com um grupo naval capaz de assegurar golpes de alta precisão.

JPEG - 71.2 kb

O Grupo naval russo recentemente colocado no Mediterrâneo Oriental é composto pelo porta-aviões Almirante Kuznetsov, pelo cruzador de propulsão nuclear Pedro, o Grande, pelos destróieres Severomorsk e Vice-Almirante Kulakov e pela fragata Almirante Grigorovich. O porta-aviões russo desloca 60. 000 ton, tendo a bordo 14 aviões multi-função Su-33, quatro MiG-29K (entre os 20 MiG-29K/ KUB que podem ser embarcados), 4 aeronaves de treino de ataque ao solo Su-25 UTG/UBP e 14 helicópteros anti-submarino Kamov Ka-27PLO. Cada avião embarcado está armado com dois mísseis ar-terra, de tipo Kh-29 L/T e T Kh-25 (guiados por laser e câmara foto), lançados a partir de uma altitude de 10. 000 metros e a uma distância de10-12 km do alvo.

O porta-aviões Almirante Kuznetsov, está armado com outros meios ofensivos como mísseis navio-navio P-700 Granit, com um alcance de 625 km, voando a Mach 1,6-2,5 e podendo ser utilizados contra alvos terrestres. O cruzador Pedro, o Grande, está igualmente armado com mísseis P-700 Granit, enquanto os destroiéres Severomorsk e Vice-Almirante Kulakov têm misseis P-270 Moskit, com um raio de acção de 250 km e uma velocidade de Mach 2,5 (2.800 km/h) e que podem igualmente ser utilizados contra alvos terrestres. A fragata Almirante Grigorovich está equipada com mísseis de cruzeiro Kalibr (raio de acção de 1400-2500 km) e mísseis Oniks com um alcance de 600 km e uma velocidade de Mach 2.5.

A bordo dos navios de guerra russos, que compõem a força-tarefa colocada no Mediterrâneo Oriental, existem cerca de 1.000 mísseis que poderão ser usados contra os mercenários islamistas. Devido à melhoria das relações com a Turquia, a Rússia tem capacidade para substituir diariamente os mísseis lançados pelos seus navios, graças a navios de transporte que transitam pelos estreitos do Bósforo e dos Dardanelos. A distância entre a zona de concentração dos mercenários islamistas na província de Idlib e a posição do Grupo naval russo é de 100-150 km. Assim, os mercenários islamistas de Idlib estão ao alcance do Grupo naval russo, tal como o Leste de Alepo, até agora controlado pelos mesmos mercenários islamistas. Se as duas esquadrilhas de bombardeiros ligeiros russos que ficaram em operação na base síria de Hmeymim têm a capacidade para lançar, quotidianamente, 72 a 80 bombas ou mísseis, o Grupo naval russo pode lançar o mesmo número de bombas ou mísseis diariamente com as duas esquadrilhas de aviões embarcadas no porta-aviões. Além disso, 100 outros tipos de mísseis mar-terra podem ser lançados a partir do porta-aviões Almirante Kuznetsov, do cruzador Pedro, o Grande, dos destroyers e fragatas do Grupo naval. No final, os russos conseguem cumprir assim as suas missões sem trazer de volta, ao local, as três esquadrilhas de bombardeiros que haviam retirado, a 14 de Março de 2016, da base síria de Hmeymim.

Tradução
Alva

O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (2/3)
 
A genealogia da questão curda
A genealogia da questão curda
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (1/3)
 

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (2/3)
O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
Thierry Meyssan
A genealogia da questão curda
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (1/3)
A genealogia da questão curda
Thierry Meyssan
A NATO por trás do ataque turco à Síria
A NATO por trás do ataque turco à Síria
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
O F-35 na agenda secreta de Pompeo em Roma
«A Arte da Guerra»
O F-35 na agenda secreta de Pompeo em Roma
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
O 70º Aniversário da República Popular da China: A Anulação da História
«A arte da guerra»
O 70º Aniversário da República Popular da China: A Anulação da História
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Alexandrópolis, a nova base USA contra a Rússia
«A arte da guerra»
Alexandrópolis, a nova base USA contra a Rússia
Manlio Dinucci, Rede Voltaire