Rede Voltaire
« A Arte da Guerra »

As mãos desmedidas do grupo Bilderberg

Durante muitos anos, muitas falsidades foram escritas sobre o Grupo Bilderberg. No entanto, a partir de documentos, é possível ter uma visão fidedigna. Muitos pesquisadores asseguraram-no através de um trabalho longo e difícil. Não é um governo global, mas uma rede de influência, composta pela CIA e pelo MI6 para apoiar a NATO.

| Roma (Itália)
+
JPEG - 27.2 kb
As chegadas de Henry Kissinger e Mike Pompeo ao Montreux Palace para a concretização da 67ª Reunião Anual do Grupo de Bilderberg

Três italianos foram convidados este ano para a reunião do grupo Bilderberg, realizada em Montreux, na Suíça, de 30 de Maio a 2 de Junho. Ao lado de Lilli Gruber, a apresentadora televisiva do La7, agora convidada permanente do Bilderberg, foi convidado outro jornalista: Stefano Feltri, Vice-Director do ‘Fatto Quotidiano’, dirigido por Marco Travaglio. O "terceiro homem" escolhido pelo Bilderberg é Matteo Renzi, senador do Partido Democrata, antigo Presidente do Conselho.

O grupo Bilderberg, constituído formalmente em 1954, por iniciativa de “cidadãos eminentes” europeus e americanos, foi na verdade criado pela CIA e pelo serviço secreto britânico MI6 para apoiar a NATO contra a URSS [1]. Após a Guerra Fria, manteve a mesma função de apoio à estratégia USA/NATO.

Às suas reuniões são convidados a participar todos os anos, quase exclusivamente da Europa Ocidental e dos Estados Unidos, cerca de 130 representantes do mundo político, económico e militar, dos meios de comunicação mediática de destaque e dos serviços secretos, que participam formalmente a título pessoal. Reúnem-se à porta fechada, cada ano num país diferente, em hotéis de luxo blindados por sólidos sistemas de segurança militar. Não é admitido nenhum jornalista ou observador, nem é publicado qualquer comunicado. Os participantes estão sujeitos à regra do silêncio: não podem sequer revelar a identidade dos oradores que lhes forneceram certas informações (perante a proclamada “transparência”).Só sabemos que este ano falaram principalmente da Rússia e da China, de sistemas espaciais, de uma ordem estratégica estável, do futuro do capitalismo. As presenças mais destacadas eram, como de costume, as dos Estados Unidos:

- Henry Kissinger, "figura histórica" do grupo ao lado do banqueiro David Rockfeller (fundador de Bilderberg e da Trilateral, falecido em 2017);
- Mike Pompeo, antigo Director da CIA e actual Secretário de Estado [2];
- Jared Kushner, Conselheiro (e genro) do Presidente Trump para o Médio Oriente e amigo íntimo do Primeiro Ministro israelita Netanyahu.
- A estes segue-se Jens Stoltenberg, Secretário Geral da NATO, que recebeu um segundo mandato pelos serviços aos EUA.

Durante quatro dias, em reuniões secretas multilaterais e bilaterais, esses e outros representantes das grandes potências (abertas e ocultas) do Ocidente, fortaleceram e expandiram a rede de contactos que lhes permite influenciar as políticas governamentais e a opinião pública.

Os resultados são visíveis. No “Fatto Quotidiano”, Stefano Feltri defende o grupo Bilderberg explicando que as suas reuniões são realizadas à porta fechada “para criar um contexto de debate franco e aberto, precisamente porque não é institucional”, e expõe “os múltiplos teóricos da conspiração” que espalham “lendas” sobre o grupo Bilderberg e também sobre a Comissão Trilateral [3].

Não diz que, entre “os múltiplos teóricos da conspiração", está o Magistrado Ferdinando Imposimato, Presidente Honorário do Supremo Tribunal de Cassação (falecido em 2018), que resumiu, assim, o resultado das investigações realizadas: “O grupo Bilderberg é um dos responsáveis da estratégia de tensão e, portanto, também dos massacres” a partir do sucedido na Piazza Fontana, em concerto com a CIA e com os serviços secretos italianos, com a Gladio e com os grupos neofascistas, com a P2 e com as lojas maçónicas USA, nas bases da NATO [4].”

Neste prestigiado clube também foi admitido Matteo Renzi. Excluindo que o convidaram pelos seus dotes de analista, resta a hipótese de que os poderosos de Bilderberg estão a preparar, de maneira oculta, algumas operações políticas em Itália. Pedimos desculpa a Feltri de nos juntarmos também aos “múltiplos teóricos da conspiração”.

Tradução
Maria Luísa de Vasconcellos

Fonte
Il Manifesto (Itália)

[1] “Aquilo que você não sabe sobre o Grupo Bilderberg”, Thierry Meyssan, Tradução David Lopes, Komsomolskaïa Pravda (Rússia) , Rede Voltaire, 29 de Abril de 2011.

[2] Não figura na lista official. A sua presença foi revelada pelo quotidiano L’Écho : « Mike Pompeo est à la réunion du groupe Bilderberg];
- David Petraeus, Antigo General da CIA [[“Milhares de milhões de dólares de armas contra a Síria”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 18 de Julho de 2017.

[3] “Sì, il gruppo Bilderberg mi ha invitato alla sua riunione. Vi spiego perché mi interessa partecipare”, Stefano Feltri, 28 Maggio 2019; «Stefano Feltri al Bilderberg, per me è un errore e le spiego perché», Angelo Cannatà, 1 Giugno 2019; «Dentro il Bilderberg: ecco di cosa si discute davvero», Stefano Feltri, 4 Giugno 2019, Il Fatto Quotidiano.

[4] “Terrorismo: o juiz italiano Imposimato acusa o Grupo de Bilderberg”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 30 de Janeiro de 2013.

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.