JPEG - 34.1 kb

O exercício de guerra anti-submarina ‘NATO Dynamic Manta’ está a decorrer no Mar Jónico, de 22 de Fevereiro a 5 de Março. Participam navios, submarinos e aviões dos Estados Unidos, Itália, França, Alemanha, Grécia, Espanha, Bélgica e Turquia. As duas unidades principais envolvidas neste exercício são um submarino de ataque nuclear americano da classe Los Angeles e o porta-aviões francês de propulsão nuclear, Charles de Gaulle, juntamente com o seu grupo de batalha, que também inclui um submarino de ataque nuclear. O Charles de Gaulle, imediatamente a seguir, irá para o Golfo Pérsico. A Itália, que participa no ‘Dynamic Manta’ com navios e submarinos, é a "nação anfitriã" de todo o exercício: disponibilizou às forças participantes o porto de Catania e a estação de helicópteros da Marinha, em Catania, a estação aérea naval de Sigonella (a maior base EUA/NATO no Mediterrâneo) e a base logística de Augusta para os abastecimentos. O objectivo do exercício é a caça aos submarinos russos no Mediterrâneo que, de acordo com a NATO, ameaçariam a Europa.

Nestes mesmos dias, o porta aviões Eisenhower e o seu grupo de combate estão a realizar operações no Atlântico para "demonstrar o apoio contínuo militar dos EUA aos aliados e o compromisso de manter os mares livres e abertos". Estas operações - conduzidas pela Sexta Frota, cujo comando está em Nápoles e cuja base está em Gaeta - fazem parte da estratégia enunciada em particular pelo Almirante Foggo, anterior chefe do Comando da NATO em Nápoles: acusando a Rússia de querer afundar os navios que ligam os dois lados do Atlântico, de modo a isolar a Europa dos EUA, defende que a NATO deve preparar-se para a "Quarta Batalha do Atlântico", depois das duas guerras mundiais e da Guerra Fria. Enquanto decorrem os exercícios navais, os bombardeiros estratégicos B-1, transferidos do Texas para a Noruega, estão a realizar "missões" perto do território russo, juntamente com os caças noruegueses F-35, para "demonstrar a prontidão e a capacidade dos EUA em apoiar os aliados". As operações militares na Europa e nos mares adjacentes estão a ser levadas a cabo sob o comando do General Tod Wolters, da Força Aérea dos EUA, que chefia o Comando Europeu USA e ao mesmo tempo a NATO, com o cargo de Comandante Supremo Aliado da Europa, atribuído sempre a um general dos EUA.

Todas estas operações militares são oficialmente motivadas como "defesa da Europa da agressão russa", virando a realidade do avesso: foi a NATO que se expandiu para a Europa, com as suas forças e bases, incluindo as forças nucleares, ao redor da Rússia. No Conselho Europeu de 26 de Fevereiro, o Secretário Geral da NATO, Stoltenberg, declarou que "as ameaças que enfrentámos antes da pandemia ainda lá estão", colocando em primeiro lugar "as acções agressivas da Rússia" e, como pano de fundo, uma ameaçadora "ascensão da China". Também sublinhou a necessidade de reforçar a ligação transatlântica entre os Estados Unidos e a Europa, como a nova Administração Biden deseja vivamente, conduzindo a cooperação entre a UE e a NATO a um nível mais elevado. Mais de 90% dos habitantes da União Europeia, recordou, vivem actualmente em países da NATO (dos quais 21 dos 27 países da UE fazem parte). O Conselho Europeu reafirmou o seu "compromisso de cooperar estreitamente com a NATO e com a nova administração Biden em matéria de segurança e defesa", tornando a UE militarmente mais forte.

Como o Primeiro Ministro, Mario Draghi, salientou na sua intervenção, este reforço deve ser inserido num quadro de complementaridade com a NATO e de coordenação com os EUA. Assim, o reforço militar da UE deve ser complementar ao da NATO, por sua vez complementar à estratégia dos EUA. Esta estratégia consiste efectivamente em provocar tensões crescentes na Europa com a Rússia, de modo a aumentar a influência dos EUA na própria União Europeia. Um jogo cada vez mais perigoso e mais caro, porque obriga a Rússia a fortalecer-se militarmente. Confirma-o o facto de que, em 2020, no auge da crise, as despesas militares italianas terem subido do 13º para o 12º lugar no mundo, ultrapassando as da Austrália.

Tradução
Maria Luísa de Vasconcellos
Fonte
Il Manifesto (Itália)