No seguimento de uma reunião de ministros da Defesa da União Europeia, o Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, que para ela tinha sido «convidado», deu uma conferência de imprensa [1].

Ele declarou-se chocado com a batalha de Alepo que assemelhou a um comboio humanitário. E, qualificou os dois eventos de «violação do Direito Internacional».

Ora, o ataque ao comboio humanitário foi perpetrado no solo pelo «Conselho Local de Alepo» contra o Crescente Vermelho sírio, enquanto a batalha de Alepo é travada pela Síria e pela Rússia no quadro da aplicação das Resoluções das Nações Unidas, que apelam ao combate contra o terrorismo. Durante o cessar-fogo do Eid, o «Conselho Local de Alepo» considerou-se a si próprio ligado às organizações listadas como terroristas pela ONU e recusou-se a diferenciar-se delas.

Respondendo a uma pergunta da Reuters, Stoltenberg indicou que a OTAN implantaria os AWACS para melhorar a “visão” do espaço aéreo pela Coligação.

Ora, o espaço aéreo sírio legalmente só pode ser utilizado pela Síria e pela Rússia, e é ilegalmente violado pela Coligação e por Israel. Os exércitos rebeldes ou terroristas não tem forças aéreas. Parece, portanto, que a OTAN está a testar meios de vigilância aérea que possam funcionar apesar da implantação do Sistema Russo de desconexão dos comandos e controles da Aliança.

Tradução
Alva

[1] “Press Point by Jens Stoltenberg”, Voltaire Network, 27 September 2016.