Rede Voltaire

O Grupo de Lima reconhece a manipulação belicista norte-americana

+

Após a divulgação de provas do caso ExxonMobil pelo Presidente venezuelano Nicolas Maduro, os Estados-membros do Grupo de Lima retiraram o artigo 9 de seu comunicado conjunto. Este texto denunciava uma provocação da Venezuela colocando em perigo a segurança coletiva.

No entanto, dois Estados não corrigiram: o Canadá e o Paraguai. Para eles a versão da ExxonMobil e do Departamento de Estado dos EUA ainda é válida: apesar das evidências que a desmentem, o exército venezuelano teria perseguido um barco de prospecção petrolífera (foto) em águas disputadas com a Guiana.

Pelo contrário, os registros (gravações-pt) atestam que o incidente teve lugar na foz do Orinoco, portanto nas águas internacionalmente reconhecidas da Venezuela.

Não é segredo para ninguém que o governo da Guiana fora derrubado na véspera do incidente por um deputado do seu próprio partido, Charrandas Persaud, o qual fugiu do seu país para buscar refúgio no Canadá.

Esta polêmica ilustra de modo indubitável que a ExxonMobil e o Departamento de Estado dos EUA recorreram a mentira para fomentar uma guerra entre Latino-americanos.

Além disso, enquanto o Grupo Lima não reconheceu o segundo mandato do Presidente eleito Nicolas Maduro, a Guiana e Santa Lúcia aceitaram as credenciais dos novos embaixadores venezuelanos.

Tradução
Alva

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.