Rede Voltaire
« A Arte da Guerra »

Sobe até às estrelas, o preço da “protecção” USA

Os Estados Unidos têm a intenção de não considerar mais os seus aliados como protectorados. Portanto, pedem-lhes para pagar o custo da sua protecção, caso contrário, retirar-se-ão. Foi o que anunciou o Presidente Trump, em 17 de Janeiro, no Pentágono, que foi apresentado em Fevereiro na NATO, mas que foi tornado público, apenas, esta semana. Uma decisão que se aplica a todos os aliados, do Japão à Alemanha. O problema é que Washington pede, igualmente, aos seus aliados para se alinharem com as suas posições... como faziam na qualidade de protectorados.

| Roma (Itália)
+
JPEG - 29.2 kb

Extorquir dinheiro a troco de protecção não é apanágio só da mafia. – Trump advertiu, ameaçadoramente, num discurso no Pentágono – “Os países ricos que estamos a proteger estão todos avisados: deverão pagar pela nossa protecção.”

O Presidente Trump —revela a Bloomberg [1]— está prestes a apresentar o plano "Cost Plus 50" que estabelece o seguinte critério: os países aliados que hospedam forças americanas no seu território terão de cobrir integralmente as despesas e pagar 50% de custos adicionais aos EUA, em troca do “privilégio” de albergá-los e, assim, serem “protegidos” por eles.

O plano prevê que os países anfitriões também paguem os salários dos militares USA e os custos da gestão dos aviões e navios de guerra que os Estados Unidos têm nesses países. A Itália deveria, portanto, pagar não só os salários de cerca de 12.000 soldados americanos estacionados no seu território, como também os custos da gestão dos caças F-16 e de outros aviões instalados pelos EUA, em Aviano e Sigonella, e os custos da Sexta Frota, fundeada em Gaeta.

De acordo com o mesmo critério, também devemos pagar pela gestão de Camp Darby, o maior arsenal USA fora da mãe pátria, e pela manutenção das bombas nucleares USA, localizadas em Aviano e Ghedi. Não se sabe quanto os Estados Unidos pretendem pedir à Itália e aos outros países europeus que hospedam as suas forças militares, pois que nem se sabe quanto esses países pagam actualmente. Os documentos estão cobertos pelo segredo militar.

Segundo um estudo da Rand Corporation, os países europeus da NATO suportam, em média, 34% dos custos das forças e das bases USA presentes nos seus territórios. Não se sabe, no entanto, qual o montante anual que pagam aos EUA: a única estimativa - 2,5 biliões de dólares - remonta há 17 anos. Portanto, o valor pago pela Itália também é secreto. Apenas se conhecem algumas referências: por exemplo, dezenas de milhões de euros para adaptar os aeroportos de Aviano e Ghedi ao caça F-35 dos EUA e às novas bombas nucleares B61-12 que os EUA começarão a instalar em Itália em 2020, e cerca de 100 milhões para os trabalhos na Base Aérea americana, em Sigonella, também a cargo da Itália.

Em Sigonella, é financiada pelos EUA, só a NAS I, a área administrativa e recreativa, enquanto a NAS II, a dos departamentos operacionais e, portanto, a mais cara, é financiada pela NATO, ou seja, também pela Itália. No entanto, é certo — prevê um investigador da Rand Corp — que, com o plano “Cost Plus 50”, os custos para os aliados “disparem até às estrelas”. Fala-se de um aumento de 600%. Serão adicionados às despesas militares que, em Itália, atingem cerca de 70 milhões de euros por dia, destinados a subir para cerca de 100 milhões, de acordo com os compromissos assumidos pelos governos italianos na sede da NATO.

Trata-se de dinheiro público, que sai dos nossos bolsos, subtraído a investimentos produtivos e a despesas sociais. É possível, no entanto, que a Itália possa pagar menos pelas forças e bases norte-americanas instaladas no seu território. De facto, o plano “Cost Plus 50” prevê um “desconto por bom comportamento” a favor dos “aliados que se alinham de perto com os Estados Unidos, fazendo o que eles exigem”.

É certo que a Itália terá um grande desconto, pois que, de governo em governo, foi sempre mantida na peugada dos Estados Unidos.

Ultimamente, enviando tropas e aviões de guerra para a Europa de Leste, com a motivação de enfrentar a “ameaça russa” e favorecendo o plano dos EUA de abandonar o Tratado INF a fim de instalar na Europa, incluindo Itália, mísseis nucleares apontados para a Rússia. Sendo alvo de uma possível retaliação, precisaremos como “protecção”, de outras forças e bases USA. Teremos de pagá-las, mas sempre com desconto.

Tradução
Maria Luísa de Vasconcellos

Fonte
Il Manifesto (Itália)

[1] “Trump Seeks Huge Premium From Allies Hosting U.S. Troops”, Nick Wadhams and Jennifer Jacobs, Bloomberg, March 8, 2019.

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.