JPEG - 44.3 kb
Da esquerda para a direita : Riad Haddad (embaixador da Síria em Moscovo), Walid Mouallem (ministro sírio dos Negócios Estrangeiros), Bouthaina Shaaban (conselheira especial do presidente el-Assad), Sergueï Lavrov (ministro russo dos Negócios Estrangeiros), Vladimir Putin (presidente da Federação da Rússia), a 29 de Junho de 2015.

As negociações 5+1 arrastam-se no tempo. Depois dos problemas de saúde de Kerry e de Zarif, todo o tipo de pretextos foram levantados para adiar a assinatura do acordo. Mas, nem Washington nem Teerão(Teerã-br) parecem afligir-se. Pelo contrário, tudo evolui como se o problema não fosse mais entre os E.U. e o Irão, mas entre eles e o Conselho de Segurança.

Eu revelei, aqui, as negociações secretas entre Israel e Arábia Saudita para se adaptarem às consequências do acordo [1]. Quanto às iniciativas russas não disponho de informações tão precisas, mas nós podemos fazer, a propósito, uma dedução em traços largos.

O acordo americano-iraniano [2] é a estratégia da segunda escolha para o presidente Obama, após o falhanço da partilha do «Médio-Oriente Alargado» com a Rússia, em 2013 [3]. Aquando da primeira conferência de Genebra a propósito da Síria, (mas sem ela), Washington encarava confiar a Moscovo o cuidado de refrear os países árabes e de garantir a segurança de Israel, onde residem mais de um milhão de antigos-soviéticos. Todavia este plano falhou, não por culpa dos Russos, mas por causa da divisão na administração Obama. Os obcecados da Guerra Fria, com Hillary Clinton e o general David Petraeus à cabeça, sabotaram o acordo.

É por isso bastante lógico que Moscovo se assegure, hoje em dia, que as negociações americano-iranianas não se concluam às suas custas.

Quais são os objectivos estratégicos da Rússia?

A nível global, a Rússia e a China prosseguem o seu projecto de estabelecer rotas continentais que garantam a sua liberdade económica. Enquanto os E.U. tentam, por todos os meios, de os impedir, tentando manter o domínio do mundo por meio do contrôlo das rotas marítimas (teoria do «contrôlo dos espaços comuns») [4].

O gaz em troca de armas

No concernente ao «Médio-Oriente Alargado» [5], a Rússia considera que o seu interesse é ter na sua fronteira meridional um Irão suficientemente forte para evitar uma invasão pró-ocidental, mas não tão muito forte que o leve a retornar às fantasias do Império Persa. Vladimir Putin mantêm, actualmente, excelentes relações tanto com o Guia da Revolução, o aiatola Khamenei, como com o presidente da República, o xeque Rohani. Assim registou os vários êxitos militares dos Guardas da Revolução na Palestina, no Líbano, na Síria, no Iraque e no Barein, assim como o formidável desenvolvimento industrial do Irão. Várias vezes por semana, emissários russos, oficiais ou informais, dirigem-se a Teerão para trocar informações políticas, assim como também militares e económicas.

A Rússia inquieta-se com as consequências da futura venda de gás iraniano à União Europeia; um projeto que havia sido originalmente imaginado pelos Estados Unidos de modo a que Bruxelas pudesse passar sem o gás russo. Mas, no espírito de Moscovo este risco só tem significado a curto prazo, já que, progressivamente, a Rússia se desvia da União Europeia e, a médio prazo, vai vender o seu gaz à China. O risco para as finanças russas não existe portanto senão por um período inferior a 5 anos, ou menos; apenas o tempo de construir, ou de reforçar, os gasodutos através da Sibéria. Para compensar a venda de gás iraniano, em lugar do gás russo, à Europa Ocidental, Teerão comprometeu-se a comprar, por somas consideráveis, armamento russo. Serão principalmente mísseis antiaéreos S-400 capazes de destruir qualquer aeronave em vôo.

Entretanto, este acordo esbarra na resolução 1929 do Conselho de Segurança que proíbe a exportação de armas com destino ao Irão [6]; uma resolução que o presidente Medvedev havia decidido apoiar, e implementar, provocando uma crise com o seu então primeiro-ministro Vladimir Putin. É por isso que o mesmo Vladimir Putin exige, hoje em dia, que essa resolução seja revogada antes da assinatura do acordo 5+1.

Este ponto não deverá melindrar Washington mas vai aumentar a divisão do mundo em dois blocos.

O terrorismo

O outro interesse estratégico da Rússia, nesta matéria, é o futuro do Daesh(E.I.). Não há, mais, qualquer dúvida que a organização terrorista, actualmente comandada pela Turquia, e financiada por uma parte da família real saudita, está disposta a abandonar o Iraque e a Síria para se deslocar para o Cáucaso russo. Desde setembro de 2014, a direcção do Emirado Islâmico foi purgada dos seus oficiais magrebinos. Eles foram quase todos substituídas por ex-soviéticos, principalmente georgianos e usbeques. Actualmente, as comunicações internas dos oficiais do Daesh, por walkie-talkie, não são mais feitas em árabe, mas quase sempre em russo ; sendo os jiadistas árabes apenas carne para canhão. Moscovo deve, pois, eliminar o Daesh, agora, no «Próximo-Oriente», ou, ter de de o combater no seu próprio solo, amanhã, no Cáucaso.

Foi por isso que a Rússia chamou uma delegação síria a Moscovo. Para grande surpresa do ministro sírio dos Negócios Estrangeiros, Walid Moallem, a delegação não encetou conversações com o seu colega russo, Sergei Lavrov, foi antes recebida pelo presidente Putin, a 29 de junho. Este recebeu-a calorosamente, em público, na presença da imprensa, para presenteá-la com um longo discurso indicando-lhe o projecto russo: a Síria deve aproximar-se da Arábia Saudita, da Jordânia e da Turquia afim de eliminar o Daesh. Depois W. Mouallem foi convidado a tomar a palavra na conferência de imprensa junto com o presidente Putin, sem nunca ter tido a oportunidade de lhe responder.

Evidentemente, a Rússia tinha já secretamente discutido este plano não só com a Arábia Saudita [7], a Jordânia e a Turquia [8], mas também com o Irão. E, ela queria mostrar ao resto do mundo que estava à altura de ditar a sua política à Síria. Esta última, mesmo que surpreendida pelo plano russo, só pode tirar daí vantagem uma vez que tal marcaria o fim da guerra.

De passagem, o plano russo corresponde à posição Síria, a qual desde Janeiro de 2014, e da segunda conferência de Genebra (para onde ela foi convidada ao contrário da primeira conferência), apela à unidade internacional face ao terrorismo. Uma posição que levantou constantes esgares visto que os jiadistas são sustentados —sob o rótulo de «oposição moderada» síria— pela Arábia Saudita, pela Jordânia, pela Turquia, e, de um modo geral, pela Otan.

O plano russo é realizável ?

O plano russo, que é do interesse de todos os Estados do «Médio-Oriente Alargado», contrapõe-se, no entanto, aos acordos já negociados entre os Sauditas e os Israelitas. Por outro lado ele priva a Turquia –-e, portanto, a Otan--- do seu trunfo principal : o contrôlo do jiadismo internacional. A sua implementação depende do equilíbrio interno de cada Estado envolvido; um assunto que envolve muitas incertezas, mas sobre o qual os serviços russos devem estar bem informados.

Na realidade, o plano russo levanta a questão da sinceridade dos Estados Unidos. Será que eles verdadeiramente querem a paz no «Médio-Oriente Alargado» (para poder transferir suas tropas para o Extremo-Oriente), e estarão eles, assim, prontos para se privarem do Daesh(Exército Islâmico) como arma futura contra a Rússia ?

É por isso que as consultas continuam. O presidente Rohani estará na Rússia por ocasião da cimeira dos BRICS e da Organização de Cooperação de Xangai, em Ufa, o presidente Putin irá à Turquia antes da formação do novo governo, ou das próximas eleições legislativas, enquanto o rei Salman da Arábia Saudita é esperado em Moscovo.

Tradução
Alva

[1] “Exclusivo : Os projectos secretos de Israel e da Arábia Saudita”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 22 de Junho de 2015.

[2] “Como será o Próximo-Oriente após o acordo entre Washington e Teerão ?”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 18 de Maio de 2015.

[3] “Obama e Putin vão repartir o Médio Oriente?”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Odnako (Rússia), Rede Voltaire, 22 de Fevereiro de 2013.

[4] “The Geopolitics of American Global Decline” (Ing- «A Geo-política do Declínio Global dos E.U.»- ndT), by Alfred McCoy, Tom Dispatch (USA), Voltaire Network, 22 June 2015.

[5] « Quelle place pour la Russie au Proche-Orient ? » (Fr- «Que posição para a Rússia no Próximo-Oriente»- ndT), par Thierry Meyssan, Оdnako (Russie), Réseau Voltaire, 28 juillet 2010.

[6] « Résolution 1929 du Conseil de sécurité » (Fr- «Resolução 1929 do Conselho do Segurança»- ndT), Réseau Voltaire, 9 juin 2010.

[7] « Arabie saoudite et Russie : nouvelle prise de contact » (Fr- «Arábia Saudita e Rússia: nova retoma de contacto»- ndT), par Boris Dolgov, Traduction Julia, Strategic Culture Foundation (Russie), Réseau Voltaire, 9 juillet 2015.

[8] “Como Vladimir Putin deu a volta à estratégia da Otan”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Odnako (Rússia), Rede Voltaire, 8 de Dezembro de 2014.