Rede Voltaire

A reaproximação de Paris e Berlim

É um assunto extremamente sério: sob a aparência de uma união de esforços pela paz, Paris e Berlim aproximam a sua Política externa, e dentro em breve de Defesa. Na realidade, esta evolução faz-se por cima, sem consulta aos povos e destruindo a partir do interior as suas realizações democráticas.

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 63.7 kb

Uma das bases sobre a qual a ONU assenta é que cada Estado e cada Povo são livres, iguais e independentes. É a grande diferença para a Liga das Nações que a precedeu. Essa sempre se recusou a reconhecer a igualdade entre os povos de maneira a deixar perdurar o sistema de colonização.

Cada Estado dispõe de uma voz igual à dos outros. Por conseguinte, não foi possível aos Estados Unidos fazer aderir os seus 50 Estados federados, nem à URSS conseguir a adesão das suas 15 Repúblicas unidas, mas unicamente os dois Estados federais. Teria sido abusivo que os Estados Unidos tivessem 50 votos e a URSS 15 enquanto os outros apenas disporiam de um.

Ora, a França e a Alemanha, que devem assumir a presidência do Conselho de Segurança, respectivamente em Março e Abril, acabam de anunciar que irão exercer em conjunto o seu mandato. Isso parece implicar, mas o que não foi dito, que as duas delegações manterão a mesma posição em todos os tópicos que surgirem. A política externa dos dois Estados já não será livre e independente uma da outra.

Nenhuma organização baseada na igualdade dos seus membros pode sobreviver a este tipo de coligação (coalizão-br).

Esta questão já se colocara, desde 1949 e a criação da OTAN. Os Estados-membros comprometeram-se a responder colectivamente a qualquer agressão contra um dentre eles. Mas, para isso, eles aceitaram uma forma de organização colocada sob a autoridade dos Estados Unidos, o qual exerce sistematicamente as funções importantes, entre as quais as do Comandante Supremo (do Chefe do Estado-Maior).

À época, a União Soviética denunciou a criação de um bloco no qual os Estados -membros já não eram livres e independentes. No entanto, foi o que a mesma URSS fez, em 1968, ao invadir a Checoslováquia, com a desculpa de que os membros do Pacto de Varsóvia não se podiam afastar da doutrina comum do comunismo. Hoje, o totalitarismo soviético já não existe, mas o dos Estados Unidos permanece.

Foi precisamente porque se opunha a que os Exércitos franceses estivessem sob comando norte-americano que o Presidente Charles De Gaulle deixou o comando integrado da OTAN, ao mesmo tempo que continuava no Tratado do Atlântico Norte. Esta sábia decisão foi revogada pelo Presidente Nicolas Sarkozy, o qual reincorporou o comando integrado, em 2009.

A França assegura que o exercício conjunto da presidência do Conselho de Segurança com a Alemanha não significa que os dois países se aprestem a fundir a sua sede na ONU. No entanto, foi a partir do mandato de Nicolas Sarkozy que o Quai d’Orsay e a Wilhelmstrasse (isto é, os dois ministérios dos Negócios Estrangeiros francês e alemão) começaram a reduzir o seu pessoal e a encarregar as suas embaixadas de repartir diversas funções.

Esta aproximação interrompeu-se com os Presidentes François Hollande e Emmanuel Macron em vista de uma aliança militar com o Reino Unido, que havia sido encarada por Jacques Chirac. Mas foi retomada assim que pareceu que Londres iria lançar o Brexit e se preparava para novas alianças.

Uma eventual fusão das políticas externas francesa e alemã coloca vários problemas: em primeiro lugar, ela só é possível se os dois exércitos igualmente se fundirem, caso contrário não seria credível, tal era já a ideia de Alain Juppé em 1995. Neste caso, a Alemanha teria uma posição de co-decisão sobre a "force de frappe"(força nuclear -ndT) francesa. Foi o que imaginou o Bundestag em 2017 e, agora, é a posição de Wolfgang Ischinger, o Director da Conferência sobre Segurança de Munique que se reúne este fim de semana [1]. Foi por isso que Emmanuel Macron evocou um Exército europeu em termos diferentes dos do projecto da Comunidade Europeia de Defesa (1954), de modo que pudesse chegar in fine a uma fusão dos Exércitos franco-alemães. Em segundo lugar, ter a mesma Política externa e de Defesa supõe perseguir os mesmos interesses. É o que Paris e Berlim ensaiam ao colocar conjuntamente tropas, legalmente no Sahel e ilegalmente na Síria.

Longe de criar um novo Estado, a aproximação franco-alemã consagrará a dependência da nova entidade face a Washington: hoje em dia os dois Exércitos são membros do comando integrado da OTAN e aí obedecem ao mesmo Supremo Comandante escolhido pelo Presidente dos Estados Unidos. Tem sido unicamente, aliás, este suserano quem assegurou a paz entre a França e a Alemanha. Assim, ainda não há muito tempo atrás, as Forças Especiais de um e de outro batiam-se secretamente umas contra as outras na ex-Jugoslávia, do lado sérvio para um e do croata pelo outro. O combate só chegou ao fim quando Washington impôs seu ponto de vista.

Ao querer fundir a prazo a Alemanha e a França, os seus dirigentes ignoram as realidades humanas dos seus países. Confundindo a reconciliação dos seus povos, realizada pelos seus predecessores, com a aproximação dos seus interesses e da sua maneira de pensar, pensam criar um novo sistema político, sem se submeterem ao controle democrático. Quanto ao resto, porquê preocupar-se com esses procedimentos se ninguém é realmente soberano?

Tradução
Alva

[1] “Ischinger sieht bei Bundeswehr „krassen Nachholbedarf“”, Michael Backfisch, Neue Ruhr Zeitung, 9 février 2019.

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: Sous nos yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump. Outra obras : L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.