Rede Voltaire
« A Arte da Guerra »

A 70 velas (explosivas) da NATO

O 70º aniversário da NATO será celebrado em Washington, quando o Presidente, Donald Trump, tendo perdido a maioria na Câmara dos Representantes, foi forçado a formar uma aliança com o Deep State dos Estados Unidos. Aguarda-se a apresentação dos seus objectivos comuns ou, pelo menos, dos meios que serão estabelecidos para alcançá-los.

| Roma (Itália)
+
JPEG - 24.7 kb

O 70º aniversário da NATO será celebrado por 29 Ministros dos Negócios Estrangeiros da Aliança, reunidos em Washington, no dia 4 de Abril. Um Conselho do Atlântico Norte em tom menor, comparado com o do mais alto nível, de Chefes de Estado e de Governo. Assim o quis o Presidente Trump, não muito contente com os aliados, sobretudo porque, na maior parte, estão atrasados no acerto das despesas militares, aquando solicitado por Washington.

Presidirá à reunião, o Secretário Geral da NATO, Jens Stoltenberg, ao qual o Conselho do Atlântico Norte acaba de renovar o seu mandato de dois anos, por méritos adquiridos ao serviço dos Estados Unidos. O calendário de Stoltenberg, em Washington, foi organizado de acordo com uma direcção cuidadosa, para confirmar quem comanda a Aliança.

No dia 2 de Abril, o Secretário Geral da NATO será recebido pelo Presidente Donald Trump, na Casa Branca. Em 3 de Abril, fará um relatório às duas Câmaras do Congresso reunidas e será recebido pelo Secretário de Estado, Michael Pompeo. Em seguida, recebidas as últimas instruções, presidirá ao Conselho do Atlântico Norte, em 4 de Abril.

O mesmo Conselho do Atlântico Norte acaba de aprovar a nomeação do General Tod Wolters, da Força Aérea dos Estados Unidos, como Comandante Supremo Aliado na Europa, em substituição do General Curtis Scaparrotti, do Exército dos EUA.

Como é “tradição”, durante 70 anos o Comandante Supremo Aliado na Europa é sempre um general americano, nomeado pelo Presidente dos Estados Unidos. Como o general que tem o encargo de Comandante Supremo da NATO é, ao mesmo tempo, Comandante do Comando Europeu dos Estados Unidos, a NATO está, de facto, incluída na cadeia de comando chefiada pelo Presidente dos Estados Unidos.

Ainda não se sabe quais serão as “prioridades” do General Wolters, mas certamente não serão diferentes das do General Scaparrotti: antes de tudo “assegurar os interesses dos Estados Unidos e apoiar uma Europa inteira e em paz”, este último compromisso soa tragicamente grotesco, vinte anos após a guerra com a qual a NATO, sob comando USA, destruiu a Federação Jugoslava.

A prioridade actual - diz o General Scaparrotti - é que as infraestruturas europeias estejam fortalecidas e integradas, a fim de permitir que as forças USA/NATO se posicionem rapidamente, contra a “agressão russa”.

Assim, sob comando USA, a NATO prossegue de guerra em guerra, durante setenta anos. Desde a Guerra Fria, quando os Estados Unidos mantiveram os aliados sob o seu domínio, usando a Europa como linha da frente no confronto nuclear com a União Soviética, até ao actual confronto com a Rússia, provocado pelos Estados Unidos, fundamentalmente, com os mesmos objectivos.

Deste cenário falaremos na

Conferência Internacional
OS 70 ANOS DA NATO/OTAN: QUAL É O BALANÇO HISTÓRICO?
SAIR DO SISTEMA DE GUERRA, AGORA.

Domingo, 7 de Abril em Firenze
(Cine Teatro Odeon, das 10:15 às 18).

Temas das mesas redondas:
- Jugoslávia: há 20 anos, a guerra que estabeleceu a nova NATO.
- As duas novas frentes da NATO: para Leste e para Sul.
- Europa na primeira linha do confronto nuclear.
- Cultura de guerra ou cultura de paz?

Oradores:
M. Chossudovsky, Director de Global Research (Canadá): V. Kozin, perito político-militar do Ministério dos Negócios Estrangeiros (Rússia); Ž. Jovanović, Presidente do Fórum de Belgrado (Sérvia); P. Craig Roberts, Economista, Colunista (EUA).
Entre os oradores italianos: A. Zanotelli, F. Cardini, F. Mini, G. Chiesa, A. Negri, T. Di Francesco, M. Dinucci.

Para participar na Conferência (com entrada livre) comunique o seu nome e local de residência a G. Padovano: Email [email protected] / Cell. 393 998 3462

Tradução
Maria Luísa de Vasconcellos

Fonte
Il Manifesto (Itália)

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.