Documentos oficiais desclassificados pelos Arquivos Nacionais Britânicos, no início de 2020, atestam que o governo de Sua Majestade subvencionava secretamente a agência Reuters e a BBC, de 1945 a 1977, a fim de difundir Fake News (Noticias Falsas-ndT) contra a URSS e os simpatizantes comunistas.

Durante a Guerra Fria, o Foreign Office (Ministério de Negócios Estrangeiros-ndT) criou um serviço, o Information Research Department (IRD), encarregue de identificar e de desacreditar os simpatizantes da URSS. Criou nomeadamente a Globe News Agency, a Near and Far East News Ltd (NAFEN) em Istambul e Delhi, a Star News Agency em Carachi e a Arab News Agency no Cairo, depois a partir de 1956 em Beirute. Inúmeras personalidades participaram activamente neste programa de intoxicação, entre os quais George Orwell, Arthur Koestler, AJP Taylor e Bertrand Russell.

O IRD influenciou igualmente a opinião pública britânica, nomeadamente a favor da adesão do Reino Unido à Comunidade Económica Europeia (actual União Europeia), via European League for Economic Cooperation (ELEC) (equivalente britânico do American Committee on United Europe) [1].

O IRD foi dissolvido em 1977 por Lord David Owen para por fim às operações contra a ala esquerda do Partido Trabalhista.

Todos estes factos, e muitos outros, são conhecidos desde há muito tempo [2], mas estes documentos são provas irrefutáveis. Eles mostram que, durante cerca de trinta anos, o MI6 (e o seu equivalente dos EUA, a CIA) dominaram o fluxo de informação no mundo Ocidental e no Terceiro Mundo, tal como Sean McBride denunciou, em 1973, na Unesco.

Estes documentos devem ser ligados às revelações da Comissão Chilcot sobre a manipulação da opinião pública durante a guerra contra o Iraque (2003) e às nossas revelações sobre o actual dispositivo do Foreign Office : Innovative Communications & Strategies (InCoStrat). Esta agência, sediada em Istambul, inventou uma falsa narrativa da guerra da Síria desde 2014 até aos nossos dias. Ela conseguiu impô-la no conjunto da imprensa internacional.

A agência de notícias Reuters foi comprada pela Thomson Financial em 2008. Parece já não estar mais na dependência do MI6, mas, antes da CIA: ela dispõe de um acesso permanente à sala de comando do Pentágono e, portanto, pode fornecer Fakes News, tanto quanto for necessário, em tempo real.

Estes factos mostram-nos que é estúpido pensar que apenas regimes autoritários tentam intoxicar a sua própria população. As democracias agem do mesmo modo.

Ler os artigos de Thierry Meyssan sobre este assunto:
- “Para Londres, a propaganda é uma arte”, Tradução Alva, 23 de Agosto de 2016;
- “As Técnicas da moderna propaganda militar”, Tradução Alva, 17 de Maio de 2016;
- “Propaganda e Pós-verdade”, Tradução Alva, 5 de Novembro de 2019.

Tradução
Alva

[1] «Historia secreta de la Unión Europea», Thierry Meyssan, Red Voltaire , 16 de enero de 2005.

[2] «IRD. Origins and Establishment of the Foreign Office Information Research Department, 1946-48», Historians LRD, History Notes #9, August 1995. Britain’s secret propaganda war, Paul Lashmar et James Oliver, Sutton Publishing, 1998.