Rede Voltaire
Participação da Otan e da União Europeia no terrorismo

Como a Bulgária forneceu drogas e armas à Al-Qaida e ao Daesh

Mesmo os melhores segredos têm um fim. O cartel mafioso que governa a Bulgária foi preso enquanto fornecia, a pedido da CIA, drogas e armas à al-Qaida e ao Daesh (E.I.), ao mesmo tempo na Líbia e na Síria. O assunto é tanto mais grave quanto a Bulgária é membro da Otan e da União Europeia.

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 35.1 kb
Chefe de um de dois cartéis mafiosos búlgaros, a SIC, Boïko Borissov chegou a Primeiro-ministro. Ao mesmo tempo que o seu país é membro da Otan e da União Europeia, ele fornecia drogas e armas à al-Qaida e ao Daesh, na Líbia e na Síria.

Parece que tudo começou por acaso. Durante trinta anos, a fenetilina foi usada como dopante nos meios desportivos da Alemanha Ocidental. Segundo o treinador Peter Neururer mais da metade dos jogadores tomavam-na regularmente [1]. Traficantes búlgaros viram aí uma oportunidade. No período entre a dissolução da União Soviética e a entrada na União Europeia eles começaram a produzi-la e a exportar ilegalmente para a Alemanha, sob o nome de Captagon.

Dois grupos mafiosos assumiram uma feroz concorrência, o Vasil Iliev Security (VIS) e a Security Insurance Company (SIC), da qual dependia o karateca Boyko Borisov. Este atleta de alto nível, professor na Academia de Polícia, criou uma empresa de proteção de VIPs e tornou-se o guarda-costas tanto do antigo presidente pró-soviético Todor Zhivkov, como do pró-americano Simeão II de Saxe-Cobourg-Gotha. Quando este último se tornou Primeiro-ministro, Borisov foi nomeado director-chefe do Ministério do Interior, e, depois foi eleito presidente da câmara (prefeito-br) de Sofia.

Em 2006, o embaixador dos E.U. na Bulgária (e futuro embaixador na Rússia), John Beyrle, retrata-o num telegrama confidencial revelado pelo Wikileaks. Apresenta-o como ligado a dois grandes chefes mafiosos, Mladen Mihalev (dito «Madzho») e Roumen Nikolov (dito «Pacha») [2], os fundadores da SIC.

Em 2007, a fazer fé num relatório elaborado por uma grande empresa suíça, a US Congressional Quarterly garante que ele tinha abafado numerosas investigações no Ministério do Interior e estava, ele próprio, envolvido em 28 assassinatos mafiosos. Ele teria se tornado parceiro de John E. McLaughlin, o diretor-adjunto da CIA. Ele teria instalado na Bulgária uma prisão secreta da “Agência”, e teria ajudado a providenciar uma base militar, no quadro do projecto de ataque ao Irão, acrescentava o jornal [3].

Em 2008, o especialista alemão sobre o crime organizado, Jürgen Roth, qualifica Boïko Borisov de «Al Capone búlgaro» [4].

Tendo-se tornado Primeiro-ministro, e quando o seu país era já um membro da Otan e da UE, ele foi solicitado pela “Agência” (Cia-ndT) para ajudar na guerra secreta contra Muammar el-Qaddafi. Boyko Borisov forneceu Captagon, fabricado pela SIC, aos jiadistas da al-Qaida na Líbia. A CIA tornou esta droga sintética mais atraente e mais eficiente misturando-o com uma droga natural, o haxixe, o que permite manipular os combatentes mais facilmente e torná-los mais temíveis, na linha dos trabalhos de Bernard Lewis [5]. Logo depois, Borisov estendeu o seu negócio à Síria.

Mas, o mais importante veio quando a CIA, utilizando as particularidades de um antigo Estado-membro do Pacto de Varsóvia que havia aderido à Otan, lhe comprou, por 500 milhões de dólares, armamento de tipo soviético e o transportou para a Síria. Tratando-se, sobretudo, de 18.800 lança-granadas anti-tanque portáveis e de 700 sistemas de mísseis anti-tanque Konkurs .

Ora, quando o Hezbolla enviou uma equipe à Bulgária para se informar sobre esse tráfico um autocarro (ônibus de -br) de turistas israelitas foi alvo de um atentado em Burgas, causando 32 feridos. Imediatamente, Benjamin Netanyahu e Boyko Borisov acusaram a Resistência libanesa, enquanto a media (mídia-br) atlantista difundia inúmeras imputações sobre o suposto kamikaze do Hezbolla. No fim, a médico-legista, a Dr.ª Galina Mileva, observou que o seu cadáver não correspondia ás descrições de testemunhas; um responsável da contra-espionagem, o coronel Lubomir Dimitrov, salientou que não se tratava de um suicida, mas de um simples portador, e que a bomba havia sido accionada à distância, provavelmente sem o seu conhecimento ; enquanto a imprensa acusava dois árabes, de nacionalidade canadiana e australiana, a Sofia News Agency acrescentou um cúmplice norte-americano, conhecido sob o pseudónimo de David Jefferson. De tal modo que, quando a União Europeia se apropriou do caso para classificar o Hezbolla como «organização terrorista», o ministro dos Negócios Estrangeiros do curto período em que Borissov foi excluído do poder executivo, Kristian Vigenine, sublinhou que, na realidade, nada permitia ligar o atentado à Resistência libanesa [6].

A partir do fim de 2014, a CIA parou as suas encomendas e foi substituída pela Arábia Saudita, que pode assim comprar, não mais armas de tipo soviético, mas, sim material da Otan, como mísseis anti-tanque guiado-a-fios BGM-71 TOW. Rapidamente Riade foi apoiada pelos Emirados Árabes Unidos [7]. Os dois estados do Golfo asseguraram, eles próprios, o fornecimento à al-Qaida e ao Daesh, via companhias Saudi Arabian Cargo e Etihad Cargo, quer em Tabuk, na fronteira saudo-jordana, ou na base franco-americana-emirati de Al-Dhafra.

Em junho de 2014, a CIA adiciona mais uma etapa. Tratava-se, desta vez, de interditar a Bulgária de deixar passar pelo seu território o gasoduto russo South Stream, que poderia abastecer a Europa Ocidental [8]. Esta decisão, que privou a Bulgária de receitas muito importantes, permite por um lado abrandar o crescimento da União Europeia, conforme o plano Wolfowitz [9]; por outro lado aplicar as sanções europeias contra a Rússia, decididas sob o pretexto da crise ucraniana; em seguida, desenvolver a extracção de gás de xisto na Europa de Leste [10], por fim manter o objectivo de derrubar a República árabe síria, possível futuro grande exportador de gaz [11].

Segundo as últimas informações, a Bulgária —Estado-membro da Otan e da U.E.— persiste em fornecer ilegalmente drogas e armas à al-Qaida e ao Daesh, apesar da recente resolução 2253 adoptada, por unanimidade, pelo Conselho de Segurança da ONU.

Tradução
Alva

[1] „Doping war im Fußball gang und gäbe“ («Doping nos subornos e na engrenagem do Futebol»- ndT), Frankfürter Allgemeine Zeitung, 13 juin 2007.

[2] “Bulgaria’s most popular politician: great hopes, murky ties” («O político mais popular da Bulgária : grandes esperanças, laços escuros»- ndT), John Beyrle, May 9, 2006.

[3] “Bush’s Bulgarian Partner in the Terror War Has Mob History, Investigators Say” («Parceiro Búlgaro de Bush na Guerra ao Terror tem História de Mafioso, Dizem Investigadores»- ndT), Jeff Stein, U.S. Congressional Quarterly, May 2007.

[4] Die neuen Dämonen («Os novos Demónios»- ndT), Jürgen Roth, 2008.

[5] The Assassins: A Radical Sect in Islam («Os Assassinos : Uma Seita Radical no Islão»- ndT), Bernard Lewis, Weidenfeld & Nicolson, 1967.

[6] « La Bulgarie ne tient pas le Hezbollah responsable de l’attentat de Burgas » («A Bulgária não considera o Hezbolla responsável pelo atentado de Burgas»- ndT), Réseau Voltaire, 7 juin 2013.

[7] « Mise à jour d’une nouvelle filière de trafic d’armes pour les jihadistes » («Revelação de uma nova fonte de tráfico de armas para os jiadistas»- ndT, par Valentin Vasilescu, Traduction Avic, Réseau Voltaire, 24 décembre 2015.

[8] « Le sabotage du gazoduc South Stream », par Manlio Dinucci, Tommaso di Francesco, Traduction Marie-Ange Patrizio, Il Manifesto (Italie), Réseau Voltaire, 10 juin 2014.

[9] « US Strategy Plan Calls For Insuring No Rivals Develop » («Planos de Estratégia dos E.U. Requerem Não Desenvolvimento de Rivais»- ndT) and « Excerpts from Pentagon’s Plan : "Prevent the Re-Emergence of a New Rival" » («Excertos de Plano do Pentágono : “Prevenir a Re-Emergência de um Novo Rival”»- ndT), Patrick E. Tyler, New York Times, March 8, 1992. « Keeping the US First, Pentagon Would preclude a Rival Superpower », («Mantendo os E:U. em Primeiro, Pentágono Impedirá um Superpoder Rival»- ndT), Barton Gellman, The Washington Post, March 11, 1992.

[10] « South Stream bloqué, la "claque" des États-Unis à l’Union européenne » («South Stream bloqueado, a claque dos Estados Unidos na União Europeia»- ndT), par Manlio Dinucci, Traduction Marie-Ange Patrizio, Il Manifesto (Italie), Réseau Voltaire, 5 décembre 2014.

[11] « La Syrie, centre de la guerre du gaz au Proche-Orient » («A Síria, centro da guerra do gaz no Próximo-Oriente»- ndT), par Imad Fawzi Shueibi, Réseau Voltaire, 8 mai 2012.

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
15 anos de crimes
15 anos de crimes
Do 10 de Setembro de 2001 aos dias de hoje
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.