Rede Voltaire

A Arábia Saudita já estava informada dos atentados no Sri Lanka

+

A polícia do Sri Lanka prendeu um pregador wahhabita, Mohamed Aliyar, Director do Centro de Orientação Islâmica em Kattankudy, cidade do Leste de maioria muçulmana.

Ele estaria ligado a Zahran Hashim, o chefe da operação, conduzida pelo Daesh(E.I.) na Páscoa, que custou a vida a cerca de 270 pessoas e feriu mais de 500.

O Centro de Orientação Islâmico, que era frequentado pelo chefe local do Daesh, é financiado pelos donativos dos camaradas de aulas islâmicas, em Riade, de Mohamed Aliyar.

O jornal libanês, editado pelo Hezbolla, Alahed News, publicou o fac-símile de um telegrama do Ministro dos Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores-br) saudita para o seu embaixador no Sri Lanka. Ele está datado de 17 de Abril de 2019. Aí pode ler-se :

« Urgente - Top secret
A Sua Excelência o Embaixador Abdul Nasser Bin Hussein al-Harethi
O Sr. deverá tomar imediatamente as seguintes medidas:
- 1 ° Suprimir todos os documentos, dados de computador e a última correspondência com membros e grupos nacionais e estrangeiros. Deverá também, além disso, impor um toque de recolher para o pessoal da embaixada, salvo se for necessário viajar ;
- 2 ° Deve informar todos aqueles ligados ao Reino da Arábia Saudita, nomeadamente os conselheiros, as forças de segurança e os serviços de Inteligência, para evitar qualquer presença em locais públicos e superlotados, nomeadamente igrejas no decurso dos três próximos dias, em particular na Páscoa Cristã;
- 3 ° Deverá enviar regularmente notas por escrito a propósito das autoridades do Sri Lanka e dos seus pontos de vista em relação a este ministério.
Assinado: Ibrahim bin Abdul Aziz al-Assaf, Ministro dos Negócios Estrangeiros»

Os atentados tiveram lugar a 21 de Abril de 2019.

O canal oficial de televisão saudita, Al-Arabiya, anunciara, em 1 de Fevereiro de 2014, que o Daesh (E.I.) era dirigido pelo Príncipe Abdul Rahman al-Faisal (irmão do Ministro dos Negócios Estrangeiros à época).

A seguir ao discurso de Riade do Presidente Donald Trump, a Arábia Saudita retirou o seu apoio às organizações jiadistas. No entanto, vimos com o caso «Movimento pela Fé», denominado pela propaganda britânica «Exército de Salvação dos Rohingyas do Arakan», que a Arábia Saudita dirigia o terrorismo Rohingya no Mianmar, em 2017. Desde então, inúmeras informações, não verificadas, indicam uma retoma em mão dos jiadistas por Riade.

Tradução
Alva

Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.

O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (2/3)
O Curdistão, imaginado pelo colonialismo francês
Thierry Meyssan
A genealogia da questão curda
Tudo o que vos escondem sobre a operação turca «Fonte de Paz» (1/3)
A genealogia da questão curda
Thierry Meyssan
A NATO por trás do ataque turco à Síria
A NATO por trás do ataque turco à Síria
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
O F-35 na agenda secreta de Pompeo em Roma
«A Arte da Guerra»
O F-35 na agenda secreta de Pompeo em Roma
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
O 70º Aniversário da República Popular da China: A Anulação da História
«A arte da guerra»
O 70º Aniversário da República Popular da China: A Anulação da História
Manlio Dinucci, Rede Voltaire
 
Alexandrópolis, a nova base USA contra a Rússia
«A arte da guerra»
Alexandrópolis, a nova base USA contra a Rússia
Manlio Dinucci, Rede Voltaire