JPEG - 35.9 kb
Em 27 de Setembro de 2018, Benjamin Netanyahu mostra na tribuna da Assembleia Geral das Nações Unidas o armazém que irá fazer explodir, em 4 de Agosto de 2020, como um depósito de armas do Hezbolla.

O primeiro Primeiro-Ministro israelita, Benjamin Netanyahu, autorizou um ataque contra um depósito de armas do Hezbolla por meio da utilização de uma arma nova, testada há sete meses atrás na Síria. Ignora-se se o segundo Primeiro-Ministro, Benny Gantz, deu o seu acordo.

O ataque foi realizado, em 4 de Agosto de 2020, sobre o local exacto designado por Benjamin Netanyahu durante o seu discurso nas Nações Unidas, em 27 de setembro de 2018 [1]. O Hezbollah havia evacuado as suas armas deste armazém logo após o discurso de Netanyahu.

Não se sabe qual é a arma utilizada. No entanto, ela foi já testada na Síria em Janeiro de 2020. Trata-se de um míssil cuja cabeça tem uma componente nuclear tática que provoca um cogumelo de fumaça característico das armas nucleares. Não se trata evidentemente de uma bomba atómica no sentido estratégico.

JPEG - 10.5 kb
Teste israelita na Síria.

Esta arma foi testada na Síria numa planície rural, depois nas águas do Golfo Pérsico contra navios da Marinha Iraniana. É a primeira vez que ela é utilizada em meio urbano, num ambiente particular que faz com que o sopro e as vibrações se reflictam sobre a água e as montanhas. Longe de destruir apenas o porto de Beirute, ela matou uma centena de pessoas, feriu pelo menos 5.000 outras e destruiu, em grande parte, a parte leste da cidade (tendo sido a parte Oeste largamente protegida pelo silo de cereais).

JPEG - 42.4 kb
Nestas fotos de satélite, distingue-se a destruição do armazém do Hezbolla e de uma parte do porto.

Israel activou imediatamente as suas redes nos média (mídia-br) internacionais para encobrir o seu crime e fazer crer na ideia da explosão acidental de um depósito de fertilizantes. Como sempre, falsos culpados são apontados, e a máquina mediática internacional repete à saciedade esta mentira na ausência de qualquer investigação. No entanto, houve claramente um cogumelo de fumaça incompatível com a tese de uma explosão de fertilizante.

JPEG - 20.7 kb
O cogumelo de fumaça observado em Beirute não tem nenhuma relação com aquilo que teria sido causado por um explosivo convencional.

Tal como nem a Síria nem o Irão se pronunciaram sobre esta arma quando foram atingidos, os partidos políticos libaneses concluíram de imediato um acordo para nada dizer a fim de não desmoralizar a sua população. Foi aberta uma investigação, não quanto à causa da explosão, mas sobre a responsabilidade do pessoal do porto no armazenamento destes fertilizantes, supostos de serem a causa da explosão. No entanto, esta mentira não tardou muito a virar-se contra os partidos políticos que a imaginaram.

O Tribunal das Nações Unidas para o Líbano, que devia tornar público o seu veredicto no caso do assassínio do antigo Primeiro Ministro Rafic Hariri, em 2005, decidiu adiá-lo por alguns dias. De forma idêntica, neste caso a explosão de uma carrinha mascarou o disparo de um míssil contendo uma arma nova, como desta vez a explosão de nitrato mascarou o disparo de um míssil comportando uma outra arma nova.

JPEG - 18.3 kb

Eu revelara, cinco anos mais tarde, cinco anos demasiado tarde, numa revista russa a maneira como haviam morto Rafic Hariri [2], enquanto o Hezbollah publicava um vídeo atestando a implicação de Israel.

Importa notar que o assassínio de 2005 visou um antigo Primeiro-Ministro sunita e que o ataque de 2020 teve como alvo não o Hezbolla xiita, mas a Resistência Libanesa como um todo.

Desta vez, várias embaixadas realizaram inquéritos, nomeadamente à recolha de amostras de grãos e de filtros de ar de ambulâncias que se haviam imediatamente dirigido aos locais. Elas estão já a ser alvo de análise nos seus respectivos países.

Tradução
Alva

[1] “Remarks by Benjamin Netanyahu to the 73rd Session of the United Nations General Assembly”, by Benjamin Netanyahu, Voltaire Network, 27 September 2018.

[2] «Revelaciones sobre el asesinato de Rafik Hariri», por Thierry Meyssan, Оdnako (Rusia) , Red Voltaire , 29 de noviembre de 2010.