JPEG - 39.2 kb
Général Curtis Michael «Mike» Scaparrotti

Temos um novo comandante supremo aliado na Europa: o general Curtis Scaparrotti do exército dos Estados Unidos. Escolhido segundo o procedimento democrático da Otan.

O presidente Obama – que é ao mesmo tempo chefe de Estado, chefe de governo e comandante em chefe das forças armadas – nomeou o general Scaparrotti chefe do Comando europeu dos Estados Unidos, cargo que lhe dá o direito de assumir simultaneamente o de comandante supremo aliado na Europa. O Conselho do Atlântico Norte, composto por representantes dos 28 Estados membros, aprovou a nomeação.

Prossegue assim a “tradição” segundo a qual o comandante supremo na Europa deve ser sempre um general ou almirante dos Estados Unidos, de tal modo que possam controlar a Otan através da própria cadeia de comando. Estão nas mãos dos Estados Unidos também outros comandos chave. No Afeganistão, o general estadunidense Nicholson assumiu o comando da missão da Otan “Apoio resoluto”, substituindo o general também estadunidense Campbell. Simultaneamente, a Otan firmou com o Kuait o “Acordo sobre o trânsito”, que permite criar o primeiro “hub” (escala aeroportuária de trânsito) da Aliança atlântica no Golfo.

Isso servirá não só para aumentar o envio de forças e materiais militares ao Afeganistão, mas também para a “cooperação prática da Otan com o Kuait e outros parceiros da ICI (Iniciativa de cooperação de Istambul), como a Arábia Saudita”. Esta, um parceiro apoiado secretamente pelos EUA na guerra que provoca o massacre de civis no Iêmen.

Com base num plano do Pentágono aprovado pelo presidente Obama – informa o New York Times [1] – foi constituído um grupo de planejamento composto por 45 oficiais estadunidenses, sob as ordens do general Mundy, dos marines: este fornece à Arábia Saudita e aos seus aliados informações, recolhidas por meio de drones espiões, sobre os alvos a golpear no Iêmen, e treina com forças especiais unidades anfíbias dos Emirados para um desembarque no Iêmen.

Em tal quadro, assume particular importância a decisão do presidente Obama de pôr o general Joseph Votel, chefe do comando das operações especiais, à frente do comando central estadunidense, em cuja “área de responsabilidade” figuram o Oriente Médio, a Ásia Central e o Egito.

Isto confirma – como sublinhava o Washington Post em 2012 [2]– “a preferência da administração Obama pela espionagem e a ação secreta do que pelo uso da força convencional”.

Foi o próprio presidente dos Estados Unidos – informava em 2012 o New York Times em uma investigação, confirmada por outra de 2015 [3]– quem aprovou a “kill list”, atualizada continuamente, compreendendo pessoas de todo o mundo que, julgadas como nocivas para os Estados Unidos e os seus interesses, são secretamente condenadas à morte sob a acusação de terrorismo.

Embora com a entrevista ao The Atlantic [4] Obama tenha-se aliviado de algumas pedrinhas no sapato, restam os pedregulhos que pesam sobre sua administração, como também sobre seus antecessores. Entre esses, como se evidenciou a partir dos e-mails de Hillary Clinton, a autorização secreta de Obama para a operação clandestina na Líbia, coordenada com o ataque da Otan desde o exterior. Cujo escopo real era bloquear o plano de Kadafi de criar uma moeda africana, como alternativa ao dólar e ao franco Cfa, que prejudicaria as multinacionais e os grupos financeiros ocidentais.

A ordem de demolir o Estado líbio veio, antes do presidente dos Estados Unidos e da hierarquia dos seus aliados, da cúpula do poder econômico e financeiro, daquele um por cento que chega a possuir mais do que os demais 99% da população mundial.

Tradução
José Reinaldo Carvalho
Editor do site Resistência
Fonte
Il Manifesto (Itália)

[1] “Quiet Support for Saudis Entangles U.S. in Yemen”, Mark Mazzetti & Eric Schimitt, The New York Times, March 14, 2016.

[2] “Obama prefere-a dissimulada”, Manlio Dinucci, Tradução Alva, Il Manifesto (Itália) , Rede Voltaire, 18 de Dezembro de 2012.

[3] “President Obama’s Kill List”, Andrew Rosenthal, The New York Times, May 29, 2012; “Killing of Americans Deepens Debate Over Use of Drone Strikes”, Mark Mazzetti, The New York Times, April 23, 2015.

[4] « La Doctrine Obama », par Jeffrey Goldberg, The Atlantic (États-Unis), Réseau Voltaire, 10 mars 2016.