JPEG - 75.2 kb
Isto poderá parecer humorístico, mas é infelizmente um slogan puritano a tomar ao pé da letra : « Os homens negros são uma espécie em perigo » (Black Men are an endangered species).

Os Puritanos anglo-saxões

A dada altura, cerca de quatro centenas de fieis da Igreja de Inglaterra fugiram do seu país onde eram considerados como fanáticos. Refugiaram-se em Leiden (Holanda), onde puderam viver segundo a tradição calvinista, ou mais precisamente a interpretação puritana do cristianismo. Provavelmente a pedido do Rei James Iº, eles enviaram dois grupos para as Américas a fim de aí lutar contra o Império espanhol. O primeiro fundou aquilo que viria a tornar-se os Estados Unidos, o segundo perdeu-se na América Central.

Em seguida, os Puritanos tomaram o Poder em Inglaterra com Lord Cromwell. Decapitaram o Rei papista Carlos Iº, instauraram uma República igualitária (Commonwealth) e colonizaram a Irlanda massacrando em massa os católicos. Esta experiência sanguinária foi de curta duração e desacreditou, durante muito tempo, a ideia de um Interesse Geral (Res Publica) aos olhos do Ingleses.

Os 35 «Pais Peregrinos» (Pilgrim fathers) partiram de Leiden, fizeram escala em Inglaterra; depois atravessaram o oceano a bordo do Mayflower. Chegaram à América do Norte em 1620 para aí poderem praticar a sua religião livremente. Durante a sua viagem, assinaram um Pacto pelo qual juraram estabelecer uma sociedade modelo (estrita observância da fé e do culto calvinista, vida comunitária intensa, disciplina social e moral sem falhas). Ao criar a Colónia de Plymouth, eles tiverem a esperança de construir a «Nova Jerusalém», depois de terem fugido do «Faraó» (James Iº) e atravessado o «Mar Vermelho» (o Atlântico). Ao fim de um ano, deram graças a Deus pela sua epopeia, celebração comemorada todos os anos sob o nome de Thanksgiving (Ação de Graças-ndT) [1]. Eles estabeleceram a sua capital a 60 quilómetros a Norte, em Boston. A sua comunidade velava as mulheres, praticava confissões públicas e castigos corporais.

JPEG - 34 kb
O logotipo da muito poderosa Pilgrim’s Society : o Pai Peregrino está simbolizado ao lado do leão britânico e da águia norte-americana.

Estes acontecimentos não são apenas mitos que todo o Norte-americano deve conhecer, eles moldam o sistema político dos Estados Unidos. Oito presidentes em 45 (incluindo os Bush) são descendentes directos dos 35 «Pais Peregrinos». Apesar da chegada de dezenas de milhões de imigrantes e das aparências institucionais, a sua ideologia permaneceu no Poder durante quatro séculos, até à eleição de Donald Trump. Um clube muito exclusivo, a Pilgrim’s Sociey, reúne sob a autoridade do monarca inglês muito altas personalidades britânicas e norte-americanas. Ele implantou a «relação especial» (Special Relationship) entre Londres e Washington e forneceu, nomeadamente, inúmero secretários e conselheiros ao Presidente Obama.

Muitas cerimónias previstas este ano pelo 400º aniversário do Mayflower foram canceladas devido à luta contra a epidemia do coronavírus, nomeadamente a conferência que o antigo Conselheiro de Segurança Nacional britânico devia pronunciar perante a Pilgrim’s Society. As más línguas garantem que a epidemia terminará no dia seguinte à eleição presidencial dos EUA, se Donald Trump a perder, e que as festividades poderão, então, ter lugar.

Desde sempre, existem duas culturas opostas nos Estados Unidos entre os cristãos: os Calvinistas ou Puritanos, por um lado, os Católicos, Anglicanos e Luteranos, por outro. Se certas «denominações», entre as oitocentas Igrejas dos EUA, se alinham resolutamente de um lado, a maior parte é atravessada por estas duas correntes porque o puritanismo não tem um “corpus” teológico definido. É mais uma certa maneira de pensar.

A Guerra da Independência começou em 1773 com o Boston Tea Party (a revolta do chá de Boston). O seu primeiro actor tinha por advogado John Adams, outro descendente directo de um dos 35 «Pais Peregrinos», e segundo Presidente dos Estados Unidos. Enquanto o apelo à independência foi lançado pelo jornalista político Thomas Paine a partir de argumentos religiosos, muito embora ele próprio não acreditasse fosse no que fosse.

De uma certa maneira, a Guerra da Independência prolongou, nas Américas, a Guerra Civil Britânica de Lord Cromwell (a «Grande Rebelião»). Esse conflito ressurgirá uma terceira vez com a Guerra da Secessão que, lembremos, não tem nenhuma relação com a escravatura (os dois campos praticavam-na no início da guerra e os dois campos revogaram-na no decurso da guerra para recrutar antigos escravos para os seus exércitos).

Os Puritanos perderam em Inglaterra com a República de Cromwell, mas venceram nas duas vezes seguintes nos Estados Unidos. O historiador Kevin Phillips, que foi conselheiro eleitoral do republicano Richard Nixon (descendente de um irmão de um dos 35 «Pais Peregrinos»), estudou longamente este conflito de séculos [2]. Foi em função desses dados que ele imaginou a estratégia da «Lei e Ordem», face ao democrata segregacionista George Wallace, aquando da eleição presidencial de 1968; estratégia retomada por Donald Trump para a campanha de 2020.

Tudo isto para dizer que as aparências enganam. As linhas de clivagem não se encontram onde o resto do mundo pensa que estão.

- Os puritanos sempre defenderam a igualdade absoluta, mas unicamente entre cristãos. Eles interditaram durante muito tempo o acesso dos Judeus à função pública e massacraram os Índios que alegavam amar. Durante a Guerra da Secessão, estenderam o seu igualitarismo aos Negros (ao contrário dos Puritanos da África Austral que defenderam o apartheid até ao fim), dando origem ao mito falacioso de uma guerra contra a escravidão. Hoje em dia, defendem a ideia de que a humanidade está dividida entre raças iguais e, se possível, separadas. Eles continuam a ser reticentes ao que chamam de casamentos inter-raciais.
- Os Puritanos colocam a mentira no fundo da sua escala de valores. Essa não pode ser para eles um expediente, mas, sim sempre o pior dos crimes, muito mais grave que roubo e o assassínio. No século XVII, eles puniam com vara o facto de mentir a um pastor, fosse qual fosse a razão. Eles estabeleceram leis punindo ainda hoje a mentira de um funcionário público federal seja qual for a razão.

O Evangelismo dos EUA

Com o tempo e particularmente no século 19, uma outra corrente de pensamento surgiu no seio do cristianismo americano: o evangelismo. São cristãos de todas as denominações que buscam aproximar-se do cristianismo original do qual não sabem grande coisa. Portanto, fiam-se assim nos textos sagrados. Tal como os Puritanos, os Evangélicos são fundamentalistas, ou seja, eles concedem às Escrituras o papel de uma palavra divina e interpretam-nas recusando qualquer contextualização dos textos. Mas, são muito mais pragmáticos. Em tudo, têm uma posição de princípio, mas, quando confrontados por um problema, agem em consciência e não segundo o regulamento da sua comunidade.

É muito fácil fazer troça (zombar-br) das convicções grotescas dos Evangélicos contra a teoria da evolução, mas isso não tem grande importância e eles abandonam-na logo que necessário. É muito mais significativo, mas infelizmente mais raro, denunciar a visão puritana de uma humanidade dividida em raças distintas, iguais, mas separadas. O que, no entanto, tem graves consequências no quotidiano.

Os Puritanos permaneceram os donos da política norte-americana até 1997, data em que o Presidente libertino Bill Clinton proibiu por decreto qualquer expressão de fé religiosa nas Instituições Federais. Seguiu-se uma mudança da religião da Administração para o sector privado. Todas as grandes empresas aceitaram grupos de oração nos locais de trabalho. Esta deslocação foi favorável à emergência pública dos Evangélicos em detrimento dos Puritanos.

JPEG - 29.7 kb
Durante os motins diante da Casa Branca, o Presidente Trump dirigiu-se à igreja Episcopaliana de Saint-John (S. João) para se apresentar, de Bíblia na mão, como defensor das convicções religiosas de todos os cristãos face ao fanatismo Puritano.

O retorno do fanatismo puritano

O conflito entre os Puritanos e o resto da sociedade retoma hoje uma forma radical e religiosa. Ele opõe duas mentalidades, uma idealista, igualitária dentro da sua comunidade e fanática, a outra, por vezes ainda mais extravagante, concordando com as desigualdades, mas realista.

A Puritana Hillary Clinton hesitou em tornar-se pastora metodista após o seu fracasso na eleição presidencial [3]. Ela pecou muito (a sua ligação com Vince Foster), foi castigada por Deus (a ligação do seu marido com Monica Lewinsky), arrependeu-se (no seio da Family do Pentágono [4]) e foi “salva”. Ela está convicta de ter sido escolhida por Deus e orgulha-se da sua violência contra os povos não-cristãos. Ela apoia todas as guerras contra os « inimigos da América » e espera assistir ao retorno de Cristo.

Pelo contrário, Donald Trump não manifesta nenhum interesse pela teologia, dispõe apenas de um conhecimento aproximado da Bible e de uma fé básica. Pecou tanto como os outros, mas vangloria-se do que conseguiu, mais do que de se arrepender das suas falhas em público. Ele duvida de si mesmo e compensa o seu sentimento de inferioridade por um egotismo desmesurado. Ele adora rivalizar com os seus inimigos, mas não deseja arrasá-los. Seja como for, ele encarna a vontade de restaurar a grandeza do seu país (« Make America Great Again ! ») ( «Tornar a América Grande de Novo»-ndT) mais do que prosseguir guerras continuamente e por todo o lado, o que faz dele o campeão dos Evangélicos contra os Puritanos. Ele oferece aos cristãos a oportunidade de se reformarem a eles próprios mais do que andar a converter o mundo.

Durante a campanha eleitoral de 2016, eu havia colocado a pergunta “Os Estados Unidos vão reformar-se, ou dilacerar-se?” [5]. A meu ver, apenas Donald Trump podia permitir que os Estados Unidos continuassem como Nação, enquanto Hillary Clinton iria provocar uma guerra civil e provavelmente a dissolução do país, dentro do modelo do fim da URSS. O que se passa desde a morte de George Flyod mostra que não me havia enganado.

JPEG - 46.3 kb
Hillary Clinton durante a campanha eleitoral de 2016.

Os partidários de Hillary Clinton e do Partido Democrata impõem a sua ideologia. Eles lutam contra a mentira e destroem as estátuas tal como os seus ancestrais Puritanos queimavam as “bruxas” de Salem. Eles desenvolvem uma leitura absurda da sua própria sociedade, negando os conflitos sociais e interpretando as desigualdades sob o mero olhar das pretensas raças humanas distintas. Eles desarmam as polícias locais e forçam personalidades «brancas» a desculpar-se em público de desfrutar de um privilégio invisível.

No chamado caso russo, o arquivo das acusações contra o antigo Conselheiro de Segurança Nacional, Michael Flynn, e o perdão presidencial do antigo Conselheiro de Donald Trump, Roger Stone, provocaram protestos enraivecidos dos Puritanos. Ora, nenhum destes dois homens causou prejuízo a ninguém, mas eles haviam ousado mentir ao FBI para o manter fora da Casa Branca.

O Presidente da Câmara (Prefeito-br) de Minneapolis (a cidade de George Flyod) foi humilhado em público por se recusar a dissolver a polícia municipal «racista». Enquanto o Conselho municipal de Seattle acaba de reduzir para metade o orçamento da sua polícia municipal. Isto não incomoda as classes sociais altas, que vivem em residências particulares bem guardadas, mas priva de segurança aqueles que não têm como pagar guardas particulares.

A Associated Press, depois o New Yok Times, o Los Angeles Times e logo de seguida quase todos os média dos EUA, decidiram escrever Negro (Black) com maiúscula quando designa a « raça » (sic) [6], mas não Branco (white) com o mesmo fim. Com efeito, o facto de escrever Branco com uma maiúscula (White) é um sinal distintivo dos supremacistas brancos [7].

O Pentágono considerou renomear as suas bases militares que levam o nome de personalidades sulistas acusadas de terem sido «racistas»; depois enviou um “e-mail” a todo o pessoal civil e militar da Arma de Infantaria (US Army) denunciando, nomeadamente, como de «extrema-direita» a afirmação, segundo ele falsa, de que existe apenas uma, e única, raça humana. Claro, estas iniciativas provocaram uma viva reação dos soldados (G.I.s) trumpistas e fracassaram, mas elas marcam uma escalada muito perigosa [8].

Um grande número de tomadas d posição que manifestam uma perda de racionalidade colectiva.

Tradução
Alva

[1] This Land Is Their Land: The Wampanoag Indians, Plymouth Colony, and the Troubled History of Thanksgiving, David J. Silverman, Bloomsbury Publishing (2019).

[2] The Cousins’ Wars: Religion, Politics and the Triumph of Anglo-America, Kevin Phillips, Basic Books (1999).

[3] “Hillary Wants to Preach”, Emma Green, The Atlantic, August 6, 2017.

[4] The Family: The Secret Fundamentalism at the Heart of American Power, Jeff Sharlet, Harper Perennial (2009).

[5] “Os Estados Unidos vão reformar-se, ou dilacerar-se?”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 26 de Outubro de 2016.

[6] “Racismo e anti-racismo como mentiras”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 22 de Junho de 2020.

[7] Uppercasing ‘Black’, Dean Baquet and Phil Corbett, The New York Times, June 30, 2020.

[8] “O Exército dos EUA contra Trump”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 14 de Julho de 2020.