Rede Voltaire

A OTAN deseja tornar-se a Aliança atlântico-pacífico

Nada trava o Pentágono. Quando o projecto de colocação militar em torno da China, evocado por Hillary Clinton em 2011, havia sido oficialmente abandonado, a OTAN acaba de o oficializar pela Cimeira de Londres. O processo foi lançado e deverá começar pela adesão da Austrália em 2026.

| Damasco (Síria)
+
JPEG - 32.9 kb
O Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, pronunciou-se, a 7 de Agosto de 2019, perante o Lowy Institute de Sydney. Lá ele afirmou que a OTAN não que quer instalar-se no Pacífico ... mas que a China aí ameaça os Aliados.

A imprensa internacional apenas reteve da Cimeira (Cúpula-br) do 70º aniversário da OTAN, em Londres, a vozearia que a precedeu e os sarcasmos que a ritmaram. O que era importante estava, é claro, noutro lado [1].

Aquando da sua criação, a função da Aliança Atlântica foi resumida pelo seu Secretário-geral, Lord Hastings Lionel Ismay como a de «Manter a União Soviética no exterior, os Americanos no interior e os Alemães fora de jogo» (keep the Soviet Union out, the Americans in, and the Germans down) [2]. Tendo este objectivo desaparecido com a queda da «pátria do comunismo», houve um esforço para apresentar a Federação da Rússia como a sua continuação. Depois aceitou-se a ideia de autorizar a Alemanha a dispor da sua própria política. Por fim, encarou-se estender a Aliança para o Pacífico a fim de «barrar» a China; o que acaba de ser confirmado.

Os insultos actuais dão uma má imagem da Aliança, mas eles correspondem ao retorno da secular rivalidade franco-alemã. A França entende tornar-se uma enorme potência, ao mesmo tempo graças à sua bomba atómica como graças ao Estado supranacional europeu, enquanto a Alemanha não pode pensar voltar a ser uma potência militar sem a proteção nuclear da OTAN [3].

Este quadro afirma-se a propósito da Síria e do Sahel. Na Síria, a França pragueja a propósito do ataque turco contra os mercenários curdos do PKK/YPG, enquanto a Alemanha se propõe enviar as suas tropas sob controle da OTAN. Nenhum dos dois decide avançar, já que os Estados Unidos continuam a ser os únicos mestres do jogo. No Sahel, a França começa a achar muito duro o peso da manutenção do status quo, enquanto a Alemanha estaria pronta a aumentar a sua parte, mas exclusivamente sob o comando dos EUA. Ainda aqui, nenhum dos dois Estado decide avançar. Todos entenderam o que se joga por detrás da retórica anti-terrorista: a manutenção dos governos actuais que permitem a exploração dos recursos da região. Lá ainda, os Estados Unidos são os mestres exclusivos do jogo e tencionam ser os primeiros a sacar proveito dessa exploração.

A novidade, é a possível abertura da frente chinesa. Isso suporia transformar a Aliança Atlântica em «Aliança atlântico-pacífico». Segundo os estudos do Pentágono, conviria, desde logo, fazer aderir a Austrália, a Índia e o Japão de maneira a cercar a China tal como fizeram com a Rússia. Este processo, que deverá levar uma década, acaba de começar com a Cimeira de Londres.

Desde já, o US PaCom, quer dizer, o Comando dos Estados Unidos para o Pacífico, foi renomeado pelo Secretário de Defesa, Jim Mattis, como US IndoPaCom [4].

Depois o novo Secretário de Defesa, Mark Esper, o Secretário de Estado, Mike Pompeo, e o Secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg, foram discretamente a Sidney, no início de Agosto passado, para sondar os dirigentes australianos, os quais se sentiram muito lisonjeados embora também assustados com a perspectiva de ter que abrigar mísseis nucleares [5]. Contactos foram identicamente feitos com a Índia e o Japão, mas foram muito menos frutuosos. Além disso, os Estados Unidos reviram a sua política em relação à Coreia do Sul, à Indonésia, ao Mianmar, às Filipinas, à Tailândia e ao Vietname (Vietnã-br) para aproximar seus respectivos exércitos. Estes Estados estão acostumados a trabalhar com o pessoal do Pentágono, mas nem por isso uns com os outros.

Pequim tinha percebido desde 2014 que a vontade dos EUA em deixar o Tratado sobre as Forças Nucleares de Alcance Intermédio traduzia menos uma perspectiva anti-russa e mais uma ameaça para si. É agora claro que haverá uma colocação de mísseis nucleares dos EUA a toda a volta da China e que a OTAN se seguirá.

Para os Chineses, é um regresso ao passado, quando no fim do século XIX os Estados Unidos elaboraram a sua «doutrina da Porta aberta». Tratava-se de instaurar um pacto entre os impérios coloniais a fim de que estabelecessem uma forma de livre concorrência comercial entre si, e explorassem regiões subdesenvolvidas, em vez de se guerrearem para se apropriarem de um território. Dada a sua superioridade industrial, Washington estava segura em prevalecer. Para prosseguir esta agressão, desenvolveu um discurso calmante. Apoiou a «integridade territorial e a soberania» de países onde desejava fazer negócios. Favoreceu o fortalecimento de governos locais na medida em que só esses podiam garantir a aplicação de tratados desiguais. Desta maneira, controlavam-se os povos a si próprios em seu benefício. O carácter mentiroso das declarações de princípio dos EUA foi verificada durante as agressões japonesas contra a China: Washington apoiou todas as demandas japonesas e deixou despedaçar a China Oriental.

Foi precisamente esta experiência de se ter batido contra todos os Impérios coloniais coligados contra si — e incluída a Rússia czarista — que levou o Presidente Xi Jinping a aproximar-se do seu homólogo russo, Vladimir Putin, já que o seu país sofreu de seguida o mesmo tipo de agressão : no seu íntimo os dois Estados sabem que terão que os enfrentar mais dia menos dia. No entanto, o Pentágono apostou que quando a ameaça chegar Moscovo não apoiará Pequim; uma avaliação de risco anterior aos mísseis hipersónicos russos.

A China não prevê esta guerra nos mesmos termos que a OTAN: ela pensa deslocar o campo de batalha para a esfera informática e destruir as armas da Aliança do Atlântico Norte Ampliada com ciberataques antes que esta as utilize.

Em Outubro de 2011, a Secretária de Estado Hillary Clinton lançava, na Foreign Policy, o seu apelo à «viragem para a Ásia» (pivot to Asia) : os Estados Unidos deviam deixar a Europa e o Médio-Oriente Alargado para se deslocar para o Extremo-Oriente [6]. O Conselheiro de Segurança Nacional, Tom Donilon, explicitava este plano, em Março de 2013, perante a Asia Society [7]. Ele envolvia, nomeadamente, um dispositivo diplomático e financeiro, o projecto de Acordo de Parceria do Transpacífico. No entanto, muito rapidamente o Pentágono rectificou o tiro: não se trataria de abandonar uma parte do mundo por outra, mas de se estender de uma para a outra. Era a noção de «reequilíbrio» (rebalance), única compatível com a continuação da «guerra sem fim» (war without end) no Médio-Oriente Alargado. Não conseguindo convencer, o Pentágono colocou abruptamente fim ao debate sublinhando que era impossível, de um ponto de vista orçamental, manter três frentes ao mesmo tempo [8]. Em seguida, o Pentágono adquiriu uma grande quantidade de armas que tem vindo a armazenar no Pacífico.

Desde a sua chegada à Casa Branca, o Presidente Donald Trump tentou parar esta miragem retirando os Estados Unidos do Acordo de Parceria do Transpacífico. Mas nada conseguiu. O Pentágono prosseguiu inexoravelmente o seu rumo e acaba de impor a sua visão após nove anos de inútil palavreado.

Enquanto que do ponto de vista francês, a OTAN está em estado de «morte cerebral», o Pentágono começou a sua mutação para uma organização global. Todos os Países-Membros assinaram, sem reflectir, a Declaração de Londres que estipula:
«Estamos conscientes que a influência crescente e as políticas internacionais da China significam, simultaneamente, oportunidades e desafios, aos quais devemos responder conjuntamente, como Aliança» [9].

O processo está lançado.

Tradução
Alva

[1] “Cimeira NATO, reforça-se o partido da guerra”, Manlio Dinucci, Tradução Maria Luísa de Vasconcellos, Il Manifesto (Itália) , Rede Voltaire, 8 de Dezembro de 2019.

[2] Whitehall, Peter Hennessy, The Free Press, 1989.

[3] “Seis projectos contraditórios de ordem mundial”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 19 de Novembro de 2019.

[4] “O US PaCom torna-se US IndoPaCom”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 5 de Junho de 2018.

[5] “Australia-US Ministerial Consultations (AUSMIN) 2019”, Voltaire Network, 4 August 2019.

[6] “America’s Pacific Century”, Hillary Clinton, Foreign Policy, October 11, 2011.

[7] “The United States and the Asia-Pacific in 2013”, by Tom Donilon, Voltaire Network, 11 March 2013.

[8] “DoD Official: Asia Pivot ‘Can’t Happen’ Due to Budget Pressures”, Defense News, March 4, 2014.

[9] « Déclaration de Londres », Réseau Voltaire, 4 décembre 2019.

Thierry Meyssan

Thierry Meyssan Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: Sous nos yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump. Outra obras : L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

 
A reconstituição do Partido colonial francês
A reconstituição do Partido colonial francês
«Sob os Nossos Olhos» (13/25)
 
Rede Voltaire

Voltaire, edição internacional

Este artigo encontra-se sob licença creative commons

Poderá reproduzir livremente os artigos da Rede Voltaire desde que cite a fonte, não modifique o conteúdo e não os utilize para fins comerciais (licença CC BY-NC-ND).

Apoiar a Rede Voltaire

Utilizando este site poderá encontrar análises de elevada qualidade que o ajudarão a formar a sua compreensão do mundo. Para continuar com este trabalho necessitamos da sua colaboração.
Ajude-nos através de uma contribuição.

Como participar na Rede Voltaire?

Os participantes na rede são todos voluntários.
- Tradutores de nível profissional: pode participar na tradução de artigos.